Artigos escritos por

LGD Corretora de Seguros

Desenho de um carro embaixo de um guarda chuva, demonstrando "segurança", uma pessoa está com uma caneta apontando para o guarda chuva.

Já ouviu falar na apólice Tailor Made? Conheça suas características!

Estamos acostumados a ver seguros de automóveis, de vida, residenciais, entre outros. No entanto, as possibilidades vão muito além disso. É justamente para atender necessidades específicas que existe a apólice Tailor Made.

O seguro é um contrato que garante ao segurado algum benefício na ocorrência dos eventos que estão previstos no documento. As seguradoras ofertam algumas modalidades “de prateleira”. Com coberturas previamente determinadas, mas especialmente para as grandes empresas. Elas podem não contemplar todas as necessidades do cliente.

Neste post, você vai entender melhor esse conceito e conhecer algumas de suas características e vantagens. Acompanhe!

Duas pessoas analisando caixas que estão dentro de uma van, antes de serem entregues.

Descubra agora como se prevenir dos riscos ambientais no transporte

Comumente presentes no ambiente de trabalho, os riscos ambientais no transporte se referem a substâncias ou elementos que podem causar danos à saúde, bem-estar e integridade dos trabalhadores em sua rotina profissional.

Riscos ambientais no transporte são fatores inerentes ao ofício que podem prejudicar os profissionais de acordo com a intensidade, concentração, natureza ou tempo de exposição. Nesse contexto, são considerados riscos ambientais: os agentes físicos, como ruídos e vibrações; químicos, como poeiras, neblinas e gases; biológicos, como fungos, parasitas e bactérias, entre outros.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura e confira algumas dicas imperdíveis para as empresas se precaverem desses riscos.

O transporte de substâncias tóxicas ou inflamáveis devem sempre ter uma cobertura de seguro.

Adote medidas que diminuam o risco ambiental

Por mais simples que seja, toda atividade profissional pode oferecer algum tipo de risco à saúde dos funcionários de uma empresa. Mas, se o ofício é realizado em locais onde há exposição a agentes nocivos, a organização é obrigada a fornecer equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados aos seus colaboradores.

Os EPIs são ferramentas essenciais na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Além disso, protegem os trabalhadores e permitem que a produtividade não seja afetada pela ocorrência de eventos negativos.

No entanto, como cada função exige medidas específicas, é importante conhecer os riscos, as atividades e eventualidades de cada setor e/ou equipe de trabalho. Assim, será muito mais simples identificar os equipamentos ideais para cada ocupação.

Instrua e fiscalize os colaboradores

Como mencionado, os riscos ambientais no transporte se dividem em agentes físicos, químicos, biológicos, acidentais e ergonômicos. Contudo, antes de prevenir qualquer incidente, é fundamental instruir os funcionários sobre as ameaças a que estão submetidos em sua rotina profissional.

Isso porque quando os colaboradores estão cientes das possíveis situações de perigo, automaticamente eles criam uma consciência sobre a relevância da prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Por isso, é importante promover palestras, seminários e treinamentos para divulgar e informar os profissionais sobre essas condições.

No entanto, não adianta fornecer os equipamentos e instruir os funcionários se eles não utilizarem os equipamentos, certo? Portanto, não deixe de fiscalizar se os trabalhadores fazem bom uso dos EPIs. Em caso de descuido ou negligência, cabe a aplicação de uma advertência.

Evite improvisos

As doenças ocupacionais e os acidentes são ocorrências a serem evitadas a todo custo nos ambientes de trabalho. No entanto, infelizmente, algumas empresas não dão a devida importância à questão e acabam aplicando soluções inadequadas aos contratempos e complicações que acontecem no local.

Assim, vale ressaltar que é fundamental evitar improvisos, isto é, procure seguir a risca as regras da organização e insira o mesmo pensamento em toda equipe.

Várias pessoas em uma mesa estão em uma reunião, duas está dando um aperto de mão.

Contrate um seguro especializado

Outro ponto relevante é que, hoje em dia, todas as transportadoras e empresas do setor rodoviário responsáveis pela condução de cargas perigosas são obrigadas a realizar a previsão dos riscos ambientais e se proteger deles. Portanto, contar com um seguro especializado é fundamental para dispor de tranquilidade e segurança em seus deslocamentos.

Direcionado às empresas do setor, o seguro de transporte ambiental visa garantir as perdas e os danos relacionados às circunstâncias de poluição do meio ambiente decorrentes da carga transportada. Assim, em qualquer situação de acidente ou imprevisto, o benefício pode reparar os danos e, ainda, cobrir os prejuízos da corporação.

Em um cenário competitivo e dinâmico como o atual, um grande desafio das empresas é promover um ambiente de trabalho em que a eficiência e a saúde dos seus funcionários possam conviver em harmonia. Por isso, é fundamental buscar maneiras adequadas de se prevenir de possíveis situações de perigo como os riscos ambientais no transporte.

Quer saber quais medidas adotas para prevenir esses riscos? Então, entre em contato com a LGD Corretora de Seguros e conte com o apoio de uma empresa especializada e reconhecida no mercado.

Já fez a cotação do seu seguro

Fale com o seu Corretor ou cote conosco.

Imagem: aperto de mão.

acidente de automóvel

Bateram no meu carro! O que faço agora?

É muito importante saber como proceder em situações como essas. Com os nervos à flor da pele, alguns detalhes podem ser deixados de lado e trazer prejuízos para você. Confira.

Sofrer um acidente de trânsito é algo que realmente afeta o dia, principalmente quando você não tem culpa da ocorrência e a colisão ocorre por causa de outra pessoa. Nesses momentos surge a dúvida: bateram no meu carro, e agora? O que eu faço para resolver isso?

Apesar de ser um momento complicado, é preciso manter a tranquilidade e tentar resolver o problema da melhor maneira possível — afinal, todo motorista está propenso aos imprevistos no trânsito, por mais cauteloso que ele seja.

Pensando nisso, escrevemos este artigo para explicar quais são os procedimentos necessários nesse tipo de situação. Boa leitura!

Confira se todos estão bem

Após um acidente envolvendo dois ou mais veículos, todos os condutores devem parar. Em seguida, é preciso verificar se todos os ocupantes estão bem e se há a existência de algum ferido. Nesse caso, acionar o resgate com urgência é fundamental.

Já nas ocorrências sem vítimas, a conduta correta é tentar estabelecer uma conversa amigável com o outro motorista no intuito de resolver a situação o mais rápido possível. Nesse momento, é essencial evitar qualquer tipo de brigas ou discussões.

Sinalize o local do acidente

Sinalize o local para evitar que aconteça um novo acidente, como outras colisões ou atropelamentos. Ligue o pisca-alerta e posicione o triângulo em um perímetro aproximado de 30 metros do veículo.

Fotografe o local em que a batida ocorreu e os danos no carro, pois as imagens podem servir de provas caso você tenha que acionar o causador do acidente na Justiça. Se possível, para não atrapalhar o trânsito ou ocasionar outros contratempos, leve o carro para um lugar seguro — na impossibilidade do uso do veículo, acione o guincho.

Não se esqueça de que deixar o veículo impedindo a circulação de outros carros é uma infração — além de perder pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), você ainda corre o risco de ter que pagar uma multa.

Defina o responsável pela batida

Quando a colisão compreende dois ou mais automóveis, o ressarcimento dos prejuízos e danos materiais é de responsabilidade do condutor que causou o acidente ou do proprietário do veículo.

Dessa forma, os envolvidos podem buscar um entendimento sobre a culpabilidade da ocorrência sem a necessidade de requisitar a presença da Polícia Civil ou um órgão de trânsito. No caso do responsável não contar com seguro, você pode propor que ele pague a franquia da sua apólice. Assim, o prejuízo será menor.

Anote todos os dados possíveis

Nesse tipo de situação, é fundamental tomar nota de tudo. Por isso, procure anotar todas as informações que puder da outra parte. Como nome do motorista, CNH, telefone de contato e endereço. E também os dados do veículo, como placa, modelo e cor do automóvel.

No entanto, como o condutor não é obrigado a fornecer essas informações, ele pode se recusar a passar os dados solicitados. Nesse contexto, não deixe de tirar fotos dos dois veículos para se resguardar futuramente.

Se houver testemunhas da ocorrência, anote o número dos telefones e pergunte se elas aceitariam depor a seu favor. Em um possível processo judicial.

Imagem de um delegado em sua mesa de trabalho na delegacia.

Registre o Boletim de Ocorrência

O B.O. (Boletim de Ocorrência) não é obrigatório para acionar o seguro. Porém ele não deixa de ser um documento importante — principalmente por conter a versão oficial dos fatos. Além disso, ele é considerado uma ferramenta de proteção. Tendo em vista que a outra parte pode registrar o seu próprio boletim e contar um ponto de vista diferente do ocorrido.

Nos acidentes sem vítima, a Polícia Militar não costuma se deslocar ao local do acidente. Somente em casos de agressões físicas entre os envolvidos ou se um dos condutores estiver alcoolizado (isso deve ser informado no momento do chamado).

Caso contrário, o B.O. pode ser feito via internet. Pelo Portal da Polícia Civil, Polícia Militar ou em qualquer unidade policial.

Saiba o que fazer se o motorista fugir

Se o motorista bater no seu carro e fugir, é fundamental anotar ou fotografar a placa do veículo. Tnto para incluir a informação no boletim quanto para comunicar o ocorrido à seguradora. Dessa forma, a companhia pode localizar o envolvido com mais facilidade.

Se não for possível anotar a placa, é importante saber que as chances de localização serão bem menores. Portanto, procure incluir no registro do B.O. todos os detalhes que tiver da outra parte, como marca, modelo e cor do veículo.

Se houver câmeras na via ou nas imediações, você pode solicitar as imagens ao órgão ou empresa responsável pelo monitoramento.

Homem olhando para estragos de seu carro, está em uma ligação ao mesmo momento.

Acione o seguro

Em suma, se o causador do acidente contar com seguro, peça para ele ligar para a central de atendimento ao consumidor e comunicar o sinistro. Dessa forma, você terá os serviços especializados à sua disposição.

Agora, se o responsável não dispuser do serviço ou não contar com uma cobertura de responsabilidade civil. Sendo assim, você pode propor que ele pague a sua franquia e utilize o seu. Outra possibilidade é ele arcar com as despesas do próprio bolso.

Cuidado: muitas pessoas preferem não acionar o seguro para não perder o bônus e nem o valor da franquia. E, por isso, acabam fazendo um acordo para pagar os danos, porém isso pode ser extremamente arriscado! Acontece que, muitas vezes, o trato não é cumprido e você pode sair no prejuízo.

Portanto, caso isso aconteça ou não seja possível chegar a um acordo amigável, você deverá procurar ajuda legal e recorrer às medidas judiciais cabíveis.

Entenda como proceder se o motorista se recusar a pagar

Infelizmente, essa é uma situação que pode acontecer. Nesse caso, o procedimento consiste em redigir uma carta e notificar o condutor de maneira extrajudicial.

Você pode tanto mover um processo civil para que o motorista conserte o seu veículo quanto reparar o dano por conta própria e obrigá-lo a arcar com o valor gasto na reforma.

Seja qual for o objetivo, é possível ir pessoalmente a um Juizado Especial. Reunir a documentação necessária e abrir um processo. Outra possibilidade é contratar um advogado para resolver a questão.

Homem anotando estragos causados em um carro.

Saiba como funciona o seguro para automóvel

Qualquer pessoa está sujeita a passar por uma situação de acidente ou ocorrência de trânsito, não é mesmo? Por isso, dispor de um seguro para automóvel é a melhor maneira de garantir a tranquilidade no caso de uma situação como essa.

Nesse contexto, quando contratar um seguro para o seu veículo, não deixe de conferir se a opção escolhida oferece cobertura para acidentes envolvendo terceiros. Afinal, você não vai querer descobrir isso em uma ocorrência ou batida, certo?

Dessa forma, é importante verificar se o seu seguro indeniza os danos causados em outro carro ou até mesmo em outras pessoas, como pedestres e passageiros. De posse desse tipo de serviço, é possível acionar a seguradora para providenciar o conserto do veículo envolvido ou da devida indenização.

Além disso, ao dispor de um seguro, você não precisa se preocupar com os procedimentos necessários para a resolução do caso, já que a companhia será responsável por toda a parte burocrática do processo.

Se já bateram no seu carro e você não soube o que fazer, agora já está mais preparado! É preciso manter a calma nesse momento e seguir os procedimentos acima. Dessa forma, você conseguirá resolver a situação da melhor forma possível. Prestar atenção quando se está ao volante e respeitar as leis de trânsito são deveres de todo motorista, bem como atitudes primordiais para evitar colisões e prejuízos para o seu bolso.

Este artigo foi útil para você? Então deixe seu comentário abaixo e compartilhe a sua opinião sobre o assunto!

Imagens: Homem ligando, corretora.

seguro garantia judicial

A quem o Seguro Garantia Judicial se destina e quais são os benefícios?

O seguro garantia judicial evita que o capital de giro da empresa fique comprometido, substituindo o depósito durante o trâmite de um processo judicial.

Conheça melhor o seguro garantia judicial e saiba quais são as suas vantagens.

Muitos empresários não sabem o que é seguro garantia judicial. Porém, entender o seu conceito é fundamental. Tendo em vista a sua finalidade de garantir os débitos judiciais substituindo o depósito em dinheiro, fiança bancária ou penhora de bens, durante um trâmite processual. Tornando o processo mais simples.

Se trata de uma modalidade de seguro recente, mas que tem recebido uma boa aceitação no âmbito judicial. Sendo utilizado como caução no processo ou como substituto de garantias já oferecidas.

Entre suas principais características estão a contratação e emissão de apólices ágeis. Mais eficiência do processo por não comprometer o caixa da empresa, entre outras.

Se você deseja conhecer melhor o seguro garantia judicial e quer saber quais são as suas vantagens, então, não deixe de ler o nosso post e conferir o material até o final. Boa leitura!

Para que serve o seguro garantia judicial?

O direito brasileiro assegura a qualquer pessoa, seja ela física ou jurídica, a chance de recorrer ao judiciário para resolver problemas e garantir benefício que entenda ter sido violado. Portanto, quando a demanda envolve créditos ou indenizações pecuniárias, é norma que a justiça estabelece que o montante contestado seja depositado pela parte credora na ação. Como uma maneira de certificar o pagamento do débito, caso seja o resultado do processo.

O depósito em juízo pode ser feito em dinheiro, por penhora de bens ou até mesmo pela fiança bancária. Em todas as alternativas, a parte contestada tem seu patrimônio imobilizado até a finalização do processo, independentemente do resultado.

Em suma, a lentidão dos processos judiciais acaba tornando esse procedimento mais arriscado para quem recebe essa obrigação. Dessa forma uma das principais vantagens do seguro garantia judicial é justamente evitar que o capital de giro da empresa fique comprometido. Diminuindo o impacto que dessa incumbência sobre seu crescimento financeiro sustentável.

Qual é a previsão legal do seguro garantia judicial?

A princípio, foi criado a Circular da SUSEP nº232/ 2003 para tratar do seguro garantia judicial. Porém, hoje, já se encontra em vigor a Portaria nº164/2014 publicada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

O seguro garantia judicial vem crescendo cada dia mais. Assim, tendo em vista que as normas da lei processual reconhecem sua validade e eficiência de forma expressa. Além da Procuradoria da Fazenda Nacional e a Lei de Execuções Fiscais crescer no entendimento e aceitação desse tipo de garantia.

A quem esse tipo de seguro se destina?

O seguro garantia judicial é destinado para todas as pessoas jurídicas e que precisam fazer algum depósito no decorrer de um processo judicial. Entre as partes estão:

  • segurado: é a parte ativa, ou seja, o provável credor da obrigação pecuniária (sob o juízo);
  • tomador: é a pessoa jurídica, considerada a parte passiva no processo judicial ou administrativo e que interpela a legalidade da obrigação pecuniária. É aquele que fará uso da apólice do seguro garantia.
Homem anotando algo em uma folha, ele está em um escritório.

Quais são as principais características do seguro garantia?

O seguro garantia judicial é uma modalidade que surge como uma alternativa ao tradicional depósito judicial e à temida penhora de bens nos devidos processos. Seja nas esferas judicial ou administrativa.

Esse seguro se tornou disponível para utilização após mudança do Código de Processo Civil, em relação à lei de número 11.382/2006.

As características principais dessa modalidade são o baixo custo exigido, a agilidade na contratação e nos procedimentos envolvendo os devedores e credores. Em contraste com às outras formas de caução legal. Como a carta de fiança, o seguro garantia judicial é um instrumento bem menos oneroso para os devedores.

Em resumo, mesmo sendo uma implementação recente, o seguro garantia já é amplamente utilizado no âmbito judicial. Seja como um procedimento de substituição às garantias dadas, seja como uma nova forma de caução no processo. Sendo portanto regulamentado em todas as áreas (fiscais, trabalhistas, cíveis, cautelares).

Agilidade e fôlego ao processo de execução

Segundo o autor José Franklin de Sousa, no Processo de Execução no CPC/2015, o seguro garantia judicial, em substituição à penhora, é visto como grande avanço e um instrumento que confere um nível geral de agilidade e fôlego ao processo de execução.

Anteriormente, grande parte do cumprimento dos contratos era realizada por meio de caução se utilizando de títulos da dívida pública, fiança bancária e até em dinheiro.

No entanto, além do impacto no fluxo de caixa nos casos de depósitos diretos em dinheiro e os valores altos das fianças bancárias. O alto custo atrelado a essas garantias fez com que o seguro garantia ganhasse terreno.

Ele passou a ser utilizado para a discussão de débitos. Sejam eles fiscais, administrativos ou judicialmente, por instituições privadas e órgãos públicos — de administração direta ou indireta.

Assim, com a alta demanda e a movimentação advindas da inserção do seguro garantia, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) regulamentou de vez a modalidade em 2003, como meio de caução judicial.

Para amenizar as situações específicas nas quais o patrimônio da empresa se encontrava imobilizado, comprometendo o seu capital de giro com débitos ainda em discussão. Portanto, o seguro garantia judicial surge como importante instrumento de agilidade no ordenamento jurídico brasileiro.

Quando o seguro é aplicado?

A cobertura da apólice é limitada de acordo com o valor da garantia. E será aplicada após o trânsito em julgado da sentença ou acordo judicial em favor à parte ativa. Dessa maneira, é possível evitar que a parte passiva disponha do valor total a ser bloqueado como garantia pelo período em que a ação esteja em andamento.

O seguro garantia judicial pode ser utilizado no setor empresarial, principalmente como uma forma de caução no processo ou em substituição às garantias dadas.

Isso representa uma vantagem significativa. Já que fornece a possibilidade de manter o nível de capital de fluxo de uma empresa, por exemplo, durante todo o processo judicial.

Algumas formas de aplicação do seguro são:

  • ações cíveis e trabalhistas em geral;
  • ações atreladas a débitos tributários, como ações anulatórias e mandados de segurança;
  • execução fiscal da união, estados ou municípios.

As ações são, basicamente, direitos judiciais de reclamação. As trabalhistas, por exemplo, lidam com os trâmites previstos nas normas referentes à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Por outro lado a execução fiscal é um termo que se relaciona a um procedimento especial. Procedimento esse em que a Receita requisita créditos devidos de contribuintes inadimplentes.

Qual é o período de vigência da apólice do seguro garantia judicial?

Após contratada, a apólice do seguro garantia judicial terá a duração até a decisão final do processo, quando é sentenciado o resultado, determinando se a obrigação pecuniária é cabível ou não.

Enquanto essa situação não acontecer, a seguradora deve renovar a apólice quantas vezes for preciso. Exceto se o tomador apresentar outra forma de garantia aceita pelo juiz responsável pela condução do processo.

Por fim, o tomador não poderá trocar a seguradora responsável por uma apólice de seguro garantia judicial. Sendo essa já exposta em um processo sem a devida anuência da contratada anteriormente.

Quais são as vantagens de adquirir um seguro garantia judicial?

Existem várias vantagens em obter esse tipo de seguro. Veja a seguir algumas delas.

Liberação do capital de giro

Portanto, os prazos que envolve os processos judiciais brasileiros são bastante longos. No caso do depósito judicial realizado em dinheiro, a empresa fica com seu patrimônio comprometido, como consequência do processo.

O seguro garantia judicial assegura ao tomador a disposição do valor mesmo com a ação em curso. Não existindo nenhum comprometimento de capital de giro antes da sentença.

Substituição de bens penhorados

Mesmo assim, nas situações em que já existem bens penhorados como garantia do montante cujo depósito foi estabelecido, é possível a substituição pelo seguro.

Redução de custos quando comparado com a fiança bancária

Assim sendo, quando comparado com a fiança bancária que também é aceita como garantia no caso de depósito judicial, o seguro é mais barato. A fiança possui uma liberação mais burocrática por parte da instituição bancária. Que pode solicitar algum tipo de relacionamento ou investimento para fornecê-la, além de comprometer os limites de crédito do solicitante.

Liquidez imediata da apólice

Um outro benefício se refere à liquidez imediata da apólice do seguro garantia judicial. Esse que pode ser convertida em moeda corrente, contrário ao que acontece com a carta de fiança bancária. Que, pelo fato do seu custo ser elevado, funciona como um empréstimo bancário. Agindo de maneira que a empresa, além de usar parte do seu limite de crédito junto ao banco, se submete a pagar taxas bancárias bem altas.

Viabilidade simplificada

Essa forma de seguro é vantajosa por ser economicamente viável e rápida para a garantia de um crédito. Tornando-se um tipo de caução idôneo que permite o pleno direito ao exequente e o amplo exercício processual de defesa do executado.

Além disso, fornece outros benefícios, como:

  • não diminui o fluxo de caixa;
  • não reduz as linhas de crédito da companhia;
  • a conta “depósitos judiciais” não será exibida no balanço da organização.

Como contratar o seguro garantia judicial?

Para realizar a contratação do seguro garantia judicial, é essencial procurar pelo auxílio de uma empresa confiável, qualificada e experiente nesse tipo de serviço. Assim sendo, é importante apresentar toda documentação considerada relevante pelo tomados. Cuja avaliação é primordial para a compreensão dos riscos e a aprovação adequada da contratação.

Enfim, conseguiu entender melhor sobre o seguro garantia judicial? Agora você já sabe que se trata de uma nova modalidade de seguro que garante o pagamento das quantias referentes aos depósitos judiciais devidos por uma das partes do processo. É uma ótima ideia para quem deseja proteger sua empresa de situações inesperadas e que podem comprometer a saúde financeira do negócio.

Gostou desse post e deseja que seus amigos também saibam mais sobre o assunto? Então, compartilhe agora mesmo em suas redes sociais!

Conversa entre duas mulheres, ambas estão felizes.

Contrato de seguro: quais os principais cuidados você deve tomar?

Antes de escolher uma empresa é muito importante verificar qual a sua reputação no mercado.

Firmar um contrato de seguro significa garantir proteção e assistência ao patrimônio, menos dores de cabeça e mais tempo para se dedicar a outras atividades, aumentando a qualidade de vida do contratante. No entanto, é necessário prestar atenção aos detalhes na hora de fazer a escolha a fim de evitar dores de cabeça no futuro.

Pensando nisso, fizemos este post com a finalidade de orientar sobre alguns cuidados que você deve tomar na hora de contratar um seguro. Continue a leitura e confira!

Verifique a reputação da seguradora

O sucesso no contrato de seguro depende da pesquisa. Antes de escolher uma empresa é muito importante verificar qual a sua reputação no mercado. Para isso, a internet é uma ótima aliada. Assim, busque referências sobre a seguradora, visite suas redes sociais, leia os comentários dos usuários e não se esqueça de consultar os sites de defesa do consumidor e da SUSEP.

Procure o melhor custo-benefício e assistência

Prefira as seguradoras que oferecem um bom custo-benefício em relação aos serviços oferecidos. O seguro é um investimento, portanto, o preço é importante, mas não deve ser o único critério de escolha. Portanto, o recomendado é fazer as cotações com o auxílio de um corretor.

Cada modalidade de seguro tem suas particularidades. O seguro auto, por exemplo, usa o Questionário de Avaliação de Risco para determinar o valor. Entenda quais são os critérios adotados e escolha a empresa que oferece maior disponibilidade de negociação, 110% do valor segurado (se for o caso) e melhores condições de pagamento.

Além disso, o valor final está ligado ao tipo de cobertura escolhida. O investimento só vale a pena se a seguradora cumprir com o combinado. Então, procure se informar sobre a qualidade e agilidade da assistência, canais de comunicação com a empresa e atendimento pós-venda.

Escolha a cobertura adequada ao seu perfil

Acima de tudo, tome cuidado para não contratar serviços que não serão úteis. Inclua no contrato apenas as assistências que farão a diferença nas horas de emergências ou sinistros. Para escolher a cobertura ideal preste atenção à sua rotina e ao objeto segurado – as necessidades de um seguro variam de acordo com o bem protegido, pois as de um seguro auto não são iguais às de um seguro empresarial, por exemplo.

Os serviços disponíveis variam de acordo com a seguradora e algumas delas são especialistas em determinados riscos. Estude as modalidades oferecidas e franquias. Tome conhecimento de quais itens não são contemplados pela apólice. Antes de assinar o contrato é preciso garantir que as expectativas serão atendidas.

Pessoa escrevendo algo em um livro sobre o Contrato de seguro.

Fique atento ao contrato de seguro

Detalhes fazem toda a diferença. Esclareça o significado dos termos técnicos e certifique-se de que todos os riscos cobertos estão na apólice. O contrato é um documento com valor jurídico e nele são formalizadas as obrigações e direitos da seguradora e do segurado. Em termos gerais, o documento deve contar com:

  • dados dos envolvidos na negociação;
  • riscos cobertos e não cobertos;
  • data de emissão;
  • período de vigência;
  • limites máximos de garantias e indenização de cada cobertura;
  • valor do prêmio e outros dados fiscais.

Portanto, a assinatura do contrato é um momento importante. Nessas horas, contar com um corretor é indispensável para adquirir o melhor produto e não cair em ciladas.

Tenha um corretor à sua disposição

O contrato de seguro é complexo e para fazer um bom investimento é preciso de experiência no assunto. Para isso existem os especialistas em seguros, que são responsáveis pela intermediação entre segurado e seguradora, proteção do patrimônio e avaliação de riscos.

Os corretores detêm conhecimento sobre o mercado, liquidação, regulação de sinistro e renovações e por isso são profissionais credenciados pela SUSEP. Além disso, esses especialistas buscam oferecer aos segurados as melhores soluções e ofertas.

Ao tomar essas precauções você acertará na contratação. Procure uma corretora confiável e preze pelo diálogo, afinal, não podem restar dúvidas quando o que está em jogo é o seu patrimônio e bem-estar.

Enfim, agora que você já sabe quais são os cuidados relacionados ao contrato de seguro, assine a nossa newsletter e fique sempre por dentro do assunto!

Imagens: empresariascontrato.

seguro viagem

Descubra como funciona o seguro viagem

O seguro viagem entra em cena desde atendimentos médicos até extravios de bagagem.

Ninguém viaja de férias esperando passar por algum perrengue. Por outro lado, sabemos que imprevistos acontecem, não é mesmo? Daí a importância de contar com um seguro viagem.

Se você é otimista mas também gosta de estar preparado para contratempos, precisa conhecer como funciona o seguro viagem. Assim como o do carro, trata-se de um serviço contratado com o desejo de nunca usar!

Entretanto, na pior das hipóteses, ao se ver obrigado a acionar o seguro durante as tão aguardadas férias, contar com esse amparo é uma fonte de conforto. Confira a seguir como funciona o seguro viagem e porque vale a pena investir nele!

O que o seguro viagem cobre?

Uma das maiores vantagens de contratar um seguro viagem é que a cobertura desses produtos geralmente inclui as mais variadas possibilidades. O serviço entra em cena desde atendimentos médicos até extravios de bagagem ou assistências jurídicas, por exemplo.

Apesar das coberturas básicas serem bem abrangentes, é importante entender como funciona o seguro viagem que você pretende contratar e ficar atento a alguns detalhes, como:

  • se o valor das coberturas está de acordo com os custos médios no destino;
  • se o valor das coberturas está de acordo com as exigências do país de destino;
  • se o seguro tem cobertura para acidentes esportivos, caso vá praticar esportes radicais.

Depois de contratado, também é fundamental verificar o procedimento para acionar o seguro em caso de emergência médica. Vale lembrar que determinados seguros não indenizam eventos se não forem notificados antes mesmo do segurado ir ao hospital.

Uma boa maneira de evitar problemas e garantir a cobertura adequada é buscar o seguro em corretoras de confiança.

Imagem de um templo em Bangkok Tailândia

Onde o seguro viagem é necessário?

Muitos países não tratam o seguro como requisito para permitir a entrada de turistas, e mesmo os que exigem comprovação às vezes não a solicitam na entrada. Porém, caso o pedido seja feito e você não apresente o seguro, pode ter o pedido de ingresso rejeitado. É um risco que não vale a pena correr.

Entre os países que exigem o seguro viagem estão os 27 europeus integrantes do Tratado de Schengen, como Alemanha, França, Itália e Espanha, obrigando cobertura mínima de 30 mil euros.

Além das nações do Tratado de Schengen, o seguro é lei em países como Emirados Árabes Unidos, Qatar, Cuba e Venezuela. É interessante mencionar que países como os Estados Unidos, apesar de não exigirem o contrato, podem ter custos bem altos de atendimento médico.

Por que contratar o seguro viagem?

O seguro viagem pode parecer um gasto supérfluo ou desnecessário quando você pensa no cenário ideal da sua viagem, transcorrendo sem nenhum imprevisto. A sensação é de jogar dinheiro fora, verdade?

Pois é na hora que as coisas dão errado que o seguro vale cada centavo. E o que não faltam são imprevistos e acidentes capazes de ocorrer.

Imagine ter uma intoxicação alimentar ou torcer o pé e, além de perder o passeio, ainda voltar de férias endividado devido aos gastos com atendimento médico? Nada como um seguro para mitigar os danos na hora do desespero!

A tranquilidade de acionar o seguro nessas horas não tem preço. Se já é ruim o suficiente ficar doente, ter a mala extraviada ou perder os documentos em um país estrangeiro, imagine lidar com todo esse transtorno e arcar com gastos adicionais?

Não faça economia besta nas férias! Investir em um seguro viagem consiste na melhor forma de garantir que, mesmo que ocorram imprevistos, sua diversão não será arruinada e seu orçamento permanecerá administrável!

Gostou das nossas dicas sobre como funciona o seguro viagem? Então entre em contato conosco para saber mais!

Imagens: Asa de avião, Tailândia.

seguro carta verde

Vai viajar pelo Mercosul? Então conheça o Seguro Carta Verde!

O seguro Carta Verde visa cobrir danos causados a terceiros em países do Mercosul.

A América do Sul é cheia de encantos, e uma viagem de carro pela região rende muitas lembranças de cenários únicos e paradisíacos. Poder realizar esse sonho utilizando o próprio veículo só aumenta o prazer e a autonomia. Neste post, vamos falar sobre o seguro Carta Verde, requerido para viagens por países-membros do Mercosul.

Os preços do documento variam e o processo pode render algumas dúvidas, pois esse seguro não é exatamente uma substituição temporária dos seguros tradicionais. Vamos conhecer mais sobre a Carta Verde. Confira!

O que é o Seguro Carta Verde?

É o documento que garante o reembolso das quantias pagas pelo segurado para cobrir danos corporais e materiais causados a terceiros no bloco Mercosul.

Para quem deseja viajar de carro pelos outros países que compõem o Mercosul, como Argentina, Uruguai, Paraguai (a Venezuela está suspensa do bloco), é obrigatório solicitar a Carta Verde.

A não contratação impede a viagem de carro por esses países. O documento costuma ser solicitado pelos fiscais das fronteiras, e o veículo pode ser apreendido caso o motorista não esteja com o documento em mãos no momento da verificação.

Como contratar o Seguro?

É possível realizar a solicitação por meio de corretoras de seguro, agências bancárias, consulados ou até nas fronteiras — esta última opção é a menos recomendada, pois o processo é bem mais demorado e o viajante pode ficar retido por um bom tempo.

O preço médio varia entre 15 e 20 dólares, para três dias de viagem, e entre 145 e 150 dólares para viagens de 365 dias. A apólice deve ser contratada de acordo com o período de permanência do automóvel no país estrangeiro. A vigência máxima é de um ano.

Casal de amigos dentro de um carro vermelho viajando
O documento (carta verde) costuma ser solicitado pelos fiscais das fronteiras.

O que a Carta Verde cobre?

O documento só cobre problemas ocorridos fora do país de emplacamento do automóvel. Basicamente, o seguro trabalha com as seguintes ocorrências:

  • danos materiais a terceiros;
  • morte, invalidez e despesas médicas a terceiros;
  • custas judiciais e valores jurídicos diversos (como honorários ao representante legal do segurado).

A cobertura é de até 40 mil dólares por pessoa (para danos corporais) ou 20 mil dólares, caso os danos sejam materiais.

O que o seguro não cobre?

A Carta Verde visa cobrir danos causados a terceiros em países do Mercosul. O seguro não se responsabiliza por problemas no carro ou danos sofridos pelo motorista e seus acompanhantes. É importante saber, também, que a Carta Verde não substitui o seguro convencional, mas o complementa.

Ainda, os riscos excluídos são os mesmos de um seguro tradicional. Portanto, não é oferecida cobertura nos seguintes casos:

  • motorista não possui carteira de habilitação válida e compatível com a categoria do veículo;
  • condutor embriagado ou sob efeitos de drogas alucinógenas, soníferas ou desinibidoras;
  • veículo conduzido por pessoa não autorizada (como nos casos de roubo e furto).

Como vimos no texto, os preços praticados pelas diferentes corretoras de seguros podem variar muito. Portanto, realize sua consulta com uma empresa de credibilidade e muita experiência no ramo.

O documento não é um bicho de sete de cabeças. Se o assunto envolve um automóvel próprio e um passeio por Uruguai, Argentina ou Paraguai, o seguro Carta Verde deve entrar em cena.

Gostou das dicas? Então, comente no post e compartilhe com a gente e com os demais leitores a sua opinião sobre o assunto!

Imagens: Casal de viajantes, amigos viajando.

seguro de responsabilidade civil

4 aspectos relevantes do seguro de responsabilidade civil para a empresa

A proteção da carga nos transportes de importação e exportação é muito importante para garantir o desenvolvimento do negócio e, para que isso ocorra, ter um seguro de responsabilidade civil é essencial.

Esse tipo de seguro garante cobertura nos mais diversos incidentes, entre eles, riscos de perdas e danos materiais de mercadorias, independentemente da via (terrestre, área ou marítima), perdas, avarias, dentre outros, oferecendo maior tranquilidade para a empresa em relação aos riscos que podem ocorrer ao exercer suas atividades.

Pensando nisso, vamos mostrar para você os principais pontos e vantagens relativos ao seguro de responsabilidade civil. Acompanhe!

1. Garantia da segurança e tranquilidade financeira

A contratação de um seguro de responsabilidade civil para o transporte de carga garante mais tranquilidade aos donos da mercadoria, pois, caso ocorra algum problema, como furto, avarias e roubos, é possível contar com a indenização para reparar as perdas financeiras.

2. Aumento da credibilidade do negócio

Para progredir no mercado internacional, a empresa deve mostrar aos seus clientes que se encontra cada vez mais preparada contra os problemas que podem prejudicar a marca fora do país.

O seguro protege contra a probabilidade de responder judicialmente por danos ocasionados a terceiros, além de possíveis eventualidades que podem gerar grandes prejuízos e que comprometem a situação financeira do negócio.

Essa tendência de responsabilização expõe as organizações a riscos que devem ser analisados na sua condição de produtor e exportador. Por isso, é tão importante estar assegurado contra essas eventualidades que podem ocasionar a responsabilidade civil. Com o seguro, a empresa ganha créditos com os seus clientes e colabora para a valorização e imagem global da marca.

3. Auxílio de uma corretora que ofereça as soluções necessárias

A corretora vai realizar uma avaliação para conhecer as particularidades das atividades desenvolvidas por cada segurado com a finalidade de garantir que os riscos ao qual estão expostos sejam completamente cobertos pelo seguro.

Por esse motivo, é fundamental que antes da contratação do seguro, seja feita uma análise minuciosa das condições da apólice por uma empresa especializada.

4. Agilidade nas fases da regulação do sinistro

Quando a seguradora é comunicada sobre o sinistro, inicia-se um processo administrativo chamado regulação do sinistro. Por meio dele a empresa vai verificar se o dano tem cobertura na apólice, pagamento do prêmio, narrativa do segurado sobre o ocorrido, montante da indenização etc.

O processo de regulação do sinistro é um conjunto de procedimentos designados para tipificar o evento, conferir a cobertura, estimar as perdas cobertas, entre outros, e quando ela ocorre de uma maneira ágil, o pagamento do valor devido acontece mais rapidamente.

A contratação de um seguro de responsabilidade civil permite que os exportadores ganhem uma vantagem competitiva internacionalmente. Isso porque entende-se que a mercadoria é segura, além da certeza da responsabilidade pela entrega no país originário da compra. Por consequência, isso traz maior estabilidade e continuidade do negócio.

Você já importou ou exportou cargas? Utilizou algum tipo de seguro? Deixe seu comentário aqui e compartilhe com a gente sua opinião e experiência sobre o assunto!

casa mais segura

Como deixar a casa segura? Aprenda aqui!

Com o crescimento do número de assaltos e violência urbana, nos últimos anos a preocupação com a segurança das residências aumentou muito. Em busca de mais tranquilidade, as pessoas investem em tecnologia e mudanças de atitudes para manter a casa segura.

Ninguém quer correr o risco de ter sua moradia invadida, seus bens levados e a segurança da família colocada em perigo, não é mesmo?

Portanto, preparamos algumas dicas para que você consiga melhorar a proteção da sua casa. Confira!

seguro de automóveis

Descubra 4 benefícios incríveis do seguro auto

Quando trabalhamos muito para conquistar o que temos, proteger nosso patrimônio se torna prioridade, concorda?

Na rotina corrida em que vivemos, os imprevistos podem gerar grandes transtornos. Imagine perder dias de trabalho e momentos com a família por conta de um dano no seu carro? Além, claro, de ter que passar por todo o estresse que esse tipo de situação envolve.

Nesse sentido, contratar um seguro confiável para seu automóvel não garante apenas segurança, mas também tranquilidade e bem-estar.

Você conhece todos os benefícios do seguro auto? Veja a nossa lista com 4 vantagens incríveis que você precisa aproveitar!

E-BOOK TUDO QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE O SEGURO EMPRESARIAL​

Ter um seguro empresarial é indispensável. Afinal, por meio dele é possível proteger o negócio de diversos riscos que podem prejudicar as finanças e destruir todo o trabalho investido na busca do sucesso da empresa.