Artigos escritos por

LGD Corretora de Seguros

segurança residencial

Como deixar a casa segura? Confira aqui as nossas dicas!

Com o crescimento do número de assaltos e violência urbana, nos últimos anos a preocupação com a segurança das residências aumentou muito. Em busca de mais tranquilidade, as pessoas investem em tecnologia e mudanças de atitudes para manter a casa segura.

Ninguém quer correr o risco de ter sua moradia invadida, seus bens levados e a segurança da família colocada em perigo, não é mesmo? Portanto, preparamos algumas dicas para que você consiga melhorar a proteção da sua casa. Confira como manter sua casa segura!

Entenda por que investir em seguro de risco de engenharia

É notório que certos ambientes trazem mais perigo para a realização de determinadas atividades. Obras civis, montagens de estruturas e funcionamento de máquinas são algumas delas. Por isso é importante investir em seguro de risco de engenharia

Mas, já que o risco é inerente ao ofício, o que fazer para se resguardar? É nessa hora que surge a importância do seguro de risco de engenharia.

Tendo em mente, também, que o construtor trabalha com um orçamento predeterminado, é preciso evitar o surgimento de despesas extras. Além de resguardar a integridade dos seus colaboradores e a conservação dos equipamentos, esse tipo de seguro se mostra uma ferramenta essencial para garantir o bom andamento das ações.

Para mostrar um pouco mais sobre a importância dele, listamos uma série de dicas que explicam por que vale a pena investir nessa solução, incluindo o seu funcionamento e benefícios.

A essência do seguro de risco de engenharia

Diferentemente da responsabilidade civil em obras de engenharia, englobando sinistros acontecidos que geraram danos a terceiros, o seguro de risco abrange os danos à obra ou equipamentos utilizados nela.

A cobertura estende-se a questões básicas e outras adicionais, dependendo da necessidade de cada situação.

É importante frisar que esse tipo de medida não tem o intuito de eliminar a possibilidade de acidentes porque, conforme mencionado, isso é inerente à atividade. A essência básica dela é minimizar esses riscos e, assim, trazer mais segurança para todos os elementos envolvidos nesse conjunto.

O segurado tem a obrigação de informar toda e qualquer mudança que ocorra durante o andamento do projeto, especialmente para que a transparência possa vigorar durante o processo e evitar surpresas desagradáveis.

Modalidades existentes

Alguns dos tipos de cobertura mais populares nessa modalidade de seguros são: obras civis em construção (OCC), instalação e montagem (IM) e quebra de máquinas (QM).

O primeiro deles (OCC) traz proteção ao construtor ou responsável para acidentes capazes de gerar grandes estragos à obra. Essa cobertura também engloba equipamentos (máquinas utilizadas).

Uma pergunta bastante pertinente quando se refere a danos é em relação à manutenção do maquinário. Essa modalidade também pode abranger essa necessidade, porém é necessário contratar uma cobertura adicional para esse fim.

O segundo (IM) está ligado à cobertura de danos que podem causar grandes prejuízos à estrutura da obra (por isso o nome instalação e montagem).

O terceiro (QM) é essencialmente destinado a cobrir os estragos dos equipamentos utilizados para a realização da obra.

Garantia de maior produtividade

O seguro de risco de engenharia é uma excelente forma de gerar mais produtividade. Contudo, como um seguro pode influenciar em uma questão como essa? A resposta parte da premissa de que essa solução ajuda a criar uma estrutura mais sólida, o que gera mais segurança para a atuação dos profissionais.

Um gerenciamento de risco bem feito contribui para que as ações possam ser realizadas com maior eficiência. Não só na questão humana, mas também na esfera tecnológica. A partir disso, fica mais fácil atender à demanda proposta.

Diante disso, é perceptível que o seguro não é um custo, mas um investimento capaz de proporcionar esses benefícios e gerar mais tranquilidade no dia a dia.

E você? Já conhecia esse tipo de seguro? Contrataria para a sua obra? Deixe o seu comentário, pois a sua opinião é muito importante para nós!

seguro transporte e coronavirus

Seguro Transporte: um Guia para tirar todas as suas dúvidas!

Quem está sempre em movimento, seja na rodovia, ferrovia, hidrovia, ou mesmo no ar, sabe que segurança é fundamental. Por isso ter um seguro transporte é vital para o comodidade e saúde da sua empresa.

A importância do seguro transporte

Vivemos em um país com grande extensão territorial, e infelizmente nossos meios de transporte ainda enfrentam muitas dificuldades em seus deslocamentos todos os dias. 

Basta um olhar mais cuidadoso para as nossas rodovias e veremos que muitas encontra-se em situações precárias. No entanto, são nelas que muitas empresas deslocam suas mercadorias diariamente.

Sendo que essa é apenas a ponta do iceberg, afinal muitos outros problemas podem acontecer até a sua carga chegar ao destino final. Desde avarias na carga durante o próprio transporte até acidente e perda da mercadoria.

Por esse e outros motivos, que vamos apresentar a seguir, ter um seguro transporte é essencial a saúde da sua empresa. Venha comigo e vamos conferir como funciona e a importância desta modalidade de seguro. Confira!

O que é o seguro transporte?

O seguro transporte é uma modalidade oferecida pela segurado em conjunto com uma corretora especializada no assunto. Com ele você tem a garantia de que sua carga chegará ao destino final, devidamente protegida, ou se eventualmente ocorrer algum problema durante o percurso que sua empresa será devidamente indenizada pelo dano causado a carga.

Escolher uma corretora de confiança é vital para o sucesso da parceria

Além disso, com o seguro transporte sua empresa pode contar com todo o suporte de uma corretora especializada na hora da contratação. Tendo assim a certeza de fazer as melhores escolhas para o seu nicho de trabalho.

O seguro transporte por si só é uma modalidade bastante ampla. Assim o primeiro passo é saber exatamente qual tipo de apólice se encaixa melhor com as características do seu negócio. Veja as modalidades mais comuns de seguro transporte:

  • Avarias na Carga durante o transporte;
  • Limpeza de Pista em caso de derramamentos nas vias;
  • Cobertura para Carga e Descarga;
  • Cobertura para Containers;
  • Cobertura para Trechos Fluviais;

Escolher o mais adequado para sua empresa é fundamental a comodidade e segurança de todo seu processo logístico. Por isso escolher uma corretora de confiança é primordial.

Modalidade de apólice de seguro transporte

Em geral são três as modalidades de contratação de seguro transportes disponíveis no mercado. Vamos conhecer cada uma delas? 

1 – Seguro transporte com apólice avulsa

Esse tipo de seguro é recomendada para empresas que não tem um fluxo permanente de transporte de cargas. Ou seja, somente é contratada a apólice quando existe a necessidade de movimentação de cargas. Neste caso, cada embarque terá a sua própria apólice, envolvendo as condições detalhadas e específicas.

Mas é importante ressaltar que esse tipo de apólice não pode ser utilizada por transportadoras, já que costumam ter um grande fluxo de transporte de cargas periodicamente.

2 – Apólice de averbação

Neste caso ocorre o inverso do que na modalidade anterior. A apólice de averbação é indicada para empresas que realizam transporte de cargas com frequência. Neste caso é firmado um contrato com a seguradora, e para cada embarque ocorre uma averbação. Em outras palavras a carga é conferida e assegurada antes do transporte.

As condições do seguro transporte neste caso é realizada na contratação, onde são definidos os limites de utilização e as especificidades das cargas que podem ser asseguradas pela empresa.

3 – Apólice ajustável

Essa modalidade como o nome já diz, permite que a empresa juntamente com a seguradora ajustem os custos de acordo com os embarques e averbações realizados. Também é conhecida como apólice anual com prêmio fracionado.

É o tipo mais recomendado para empresas que realizam embarques frequentes. Tendo em vista que essa modalidade de apólice de seguro transporte é contratada anualmente, e tem o preço calculado com base nas estimativas e embarques realizados durante o ano.

Porque contratar um seguro transporte?

O seguro transporte ajuda a preservar a saúde financeira da sua empresa

Como já falamos, vivemos no Brasil e infelizmente as condições de nossas rodovias, ferrovias e mesmo rede de transporte fluviais nem sempre são ideais. Ao contrário, está longe disso. Assim a melhor alternativa para minimizar os riscos é estar prevenido, e um bom seguro pode fazer isso pelo seu negócio.

Por isso, o seguro transporte é tão importante. Com o seguro sua empresa pode evitar prejuízos, melhorar a previsibilidade do seu negócio, assim como fazer previsões mais assertivas do futuro da empresa. Além é claro de preservar a saúde financeira, já que através do seguro é possível evitar perdas.

Sem contar na comodidade e segurança que um seguro transporte confere a todos os envolvidos com a cadeia logística da sua empresa. Sem contar que ao contratar um seguro transporte você tem todo apoio da sua seguradora no momento de necessidade. 

Onde contratar um seguro transporte?

Agora que você já sabe tudo que precisa sobre o seguro transporte, chegou a hora de pensar em parceiros que possam lhe oferecer esse serviço. Como já falamos é fundamental escolher uma corretora de confiança e que já tenha um nome consolidado no mercado. Assim as chances de sucesso da parceria são muito melhores.

A LGD Seguros, é uma corretora de seguros, com expertise nas mais diversas linhas de seguro para transportes. Oferecendo soluções para todos os tipos de modal (Rodoviário, Aquaviário, Aéreo e/ou Ferroviário).

Conheça os serviços oferecidos pela LGD seguros:

  • Apólices “Taylor made”
  • Avaliação para prevenção de perdas (PPA) em toda operação do cliente
  • Coberturas adequadas
  • Projeto de Gerenciamento de Risco
  • Operação Integrada de Transporte Nacional (embarcador + transportador)
  • Custos e Taxas competitivas
  • Assessoramento total regulação e Liquidação de Sinistros

Transportador. Fique por dentro das medidas que devem ser tomadas com relação ao Corona Vírus

Para proteção do caminhoneiro

  • É preciso redobrar os cuidados preventivos e de higiene pessoal do motorista;
  • É necessário realizar regularmente a higienização completa da cabine;
  • Usar luvas e ouros EPIs para carregar e descarregar os veículos;
  • Retirar e higienizaros sapatos ao retornar ao veículo
  • Quando possível higienizar as cargas e a caçamba;
  • Com estradas e ruas com baixa circulação de veículos e pessoas, o motorista está mais propenso a distrações e sonolência. Mesmo com a demanda maior em algunssetores, é fundamental respeitar os horários de parada e descanso

Para as cargas

Se antes um carregamento de máscaras e luvas tina pouco apelo para roubos, atualmente este tipo de carga está extremamente visada. Isso também vale para medicamentos, produtos de higiene e demais itens de primeira necessidade. Nesses casos, vale a pena aumentar a segurança durante a viagem e nas paradas. Contratar uma escolta pode ser um bom investimento para mitigar os riscos.

Muitos estabelecimentos ao longo das rodovias fecharam, tais como restaurantes, borracheiros, postos de gasolikna, entre outros. Assim, é necessário redobrar a atenção durante as paradas. Da mesma forma,é preciso elaborar um plano de contingência para alimentação e descanso dos motoristas.

Para armazéns e depósitos

  • Testar todos os itens de Segurança (botão de pânico, câmeras, alarmes, etc.);
  • Utilizar monitoramento externo para depósitos ou armazéns que estejam fechados;
  • Evitar rotatividade de equipamentos de vigilância, mantendo os profissionais mais familiarizados com a operação/ regras/ procedimentos do local, reduzindo assim possíveis falhas operacionais na segurança.
A higiene dentro dos depósitos é de fundamental importância

A LGD corretora de seguros, é uma empresa com muita credibilidade no mercado que atua identificando e avaliando riscos, além de contar com uma equipe de profissionais experientes e qualificados. Isso tudo, contando com um excelente relacionamento com as principais seguradoras do mercado, para oferecer ao clientes sempre as melhores opções.

Então, ficou interessado;? Se quiser saber mais sobre os nosso produtos. Entre em contato conosco, com certeza teremos uma modalidade de seguro transporte perfeita para sua empresa. Além disso, se quiser ficar por dentro de tudo que acontece no ramo dos seguros, siga-nos em nossas redes sociais. (Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin)

Trem, Rodovia, Container

Dois homens e uma mulher discutindo sobre uma proposta de seguro patriminial sobre a mesa.

Seguro patrimonial: um guia para você tirar todas suas dúvidas!

O seguro patrimonial é o investimento que garante a integridade dos bens da empresa. É uma forma de proteger os bens móveis e imóveis da pessoa jurídica.

Você trabalha muito e constituiu o seu patrimônio com muito suor. Está na hora de pensar em proteger os bens de sua empresa e deixar as preocupações de lado. É isso é possível com o seguro patrimonial.

Contratar um seguro para pessoas jurídicas permite que o empresário dê mais atenção ao próprio bem-estar e de seus familiares. Afinal, para que tanto esforço se não puder passar bons momentos ao lado de quem ama?

Você precisa de tranquilidade para cuidar da sua família? Veja, neste artigo, como o seguro patrimonial pode ajudá-lo!

acidente de automóvel

Bateram no meu carro! O que faço agora?

É muito importante saber como proceder em situações como essas. Com os nervos à flor da pele, alguns detalhes podem ser deixados de lado e trazer prejuízos para você. Confira.

Sofrer um acidente de trânsito é algo que realmente afeta o dia, principalmente quando você não tem culpa da ocorrência e a colisão ocorre por causa de outra pessoa. Nesses momentos surge a dúvida: bateram no meu carro, e agora? O que eu faço para resolver isso?

Apesar de ser um momento complicado, é preciso manter a tranquilidade e tentar resolver o problema da melhor maneira possível — afinal, todo motorista está propenso aos imprevistos no trânsito, por mais cauteloso que ele seja.

Pensando nisso, escrevemos este artigo para explicar quais são os procedimentos necessários nesse tipo de situação. Boa leitura!

Confira se todos estão bem

Após um acidente envolvendo dois ou mais veículos, todos os condutores devem parar. Em seguida, é preciso verificar se todos os ocupantes estão bem e se há a existência de algum ferido. Nesse caso, acionar o resgate com urgência é fundamental.

Já nas ocorrências sem vítimas, a conduta correta é tentar estabelecer uma conversa amigável com o outro motorista no intuito de resolver a situação o mais rápido possível. Nesse momento, é essencial evitar qualquer tipo de brigas ou discussões.

Sinalize o local do acidente

Sinalize o local para evitar que aconteça um novo acidente, como outras colisões ou atropelamentos. Ligue o pisca-alerta e posicione o triângulo em um perímetro aproximado de 30 metros do veículo.

Fotografe o local em que a batida ocorreu e os danos no carro, pois as imagens podem servir de provas caso você tenha que acionar o causador do acidente na Justiça. Se possível, para não atrapalhar o trânsito ou ocasionar outros contratempos, leve o carro para um lugar seguro — na impossibilidade do uso do veículo, acione o guincho.

Não se esqueça de que deixar o veículo impedindo a circulação de outros carros é uma infração — além de perder pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), você ainda corre o risco de ter que pagar uma multa.

Defina o responsável pela batida

Quando a colisão compreende dois ou mais automóveis, o ressarcimento dos prejuízos e danos materiais é de responsabilidade do condutor que causou o acidente ou do proprietário do veículo.

Dessa forma, os envolvidos podem buscar um entendimento sobre a culpabilidade da ocorrência sem a necessidade de requisitar a presença da Polícia Civil ou um órgão de trânsito. No caso do responsável não contar com seguro, você pode propor que ele pague a franquia da sua apólice. Assim, o prejuízo será menor.

Anote todos os dados possíveis

Nesse tipo de situação, é fundamental tomar nota de tudo. Por isso, procure anotar todas as informações que puder da outra parte. Como nome do motorista, CNH, telefone de contato e endereço. E também os dados do veículo, como placa, modelo e cor do automóvel.

No entanto, como o condutor não é obrigado a fornecer essas informações, ele pode se recusar a passar os dados solicitados. Nesse contexto, não deixe de tirar fotos dos dois veículos para se resguardar futuramente.

Se houver testemunhas da ocorrência, anote o número dos telefones e pergunte se elas aceitariam depor a seu favor. Em um possível processo judicial.

Imagem de um delegado em sua mesa de trabalho na delegacia.

Registre o Boletim de Ocorrência

O B.O. (Boletim de Ocorrência) não é obrigatório para acionar o seguro. Porém ele não deixa de ser um documento importante — principalmente por conter a versão oficial dos fatos. Além disso, ele é considerado uma ferramenta de proteção. Tendo em vista que a outra parte pode registrar o seu próprio boletim e contar um ponto de vista diferente do ocorrido.

Nos acidentes sem vítima, a Polícia Militar não costuma se deslocar ao local do acidente. Somente em casos de agressões físicas entre os envolvidos ou se um dos condutores estiver alcoolizado (isso deve ser informado no momento do chamado).

Caso contrário, o B.O. pode ser feito via internet. Pelo Portal da Polícia Civil, Polícia Militar ou em qualquer unidade policial.

Saiba o que fazer se o motorista fugir

Se o motorista bater no seu carro e fugir, é fundamental anotar ou fotografar a placa do veículo. Tnto para incluir a informação no boletim quanto para comunicar o ocorrido à seguradora. Dessa forma, a companhia pode localizar o envolvido com mais facilidade.

Se não for possível anotar a placa, é importante saber que as chances de localização serão bem menores. Portanto, procure incluir no registro do B.O. todos os detalhes que tiver da outra parte, como marca, modelo e cor do veículo.

Se houver câmeras na via ou nas imediações, você pode solicitar as imagens ao órgão ou empresa responsável pelo monitoramento.

Homem olhando para estragos de seu carro, está em uma ligação ao mesmo momento.

Acione o seguro

Em suma, se o causador do acidente contar com seguro, peça para ele ligar para a central de atendimento ao consumidor e comunicar o sinistro. Dessa forma, você terá os serviços especializados à sua disposição.

Agora, se o responsável não dispuser do serviço ou não contar com uma cobertura de responsabilidade civil. Sendo assim, você pode propor que ele pague a sua franquia e utilize o seu. Outra possibilidade é ele arcar com as despesas do próprio bolso.

Cuidado: muitas pessoas preferem não acionar o seguro para não perder o bônus e nem o valor da franquia. E, por isso, acabam fazendo um acordo para pagar os danos, porém isso pode ser extremamente arriscado! Acontece que, muitas vezes, o trato não é cumprido e você pode sair no prejuízo.

Portanto, caso isso aconteça ou não seja possível chegar a um acordo amigável, você deverá procurar ajuda legal e recorrer às medidas judiciais cabíveis.

Entenda como proceder se o motorista se recusar a pagar

Infelizmente, essa é uma situação que pode acontecer. Nesse caso, o procedimento consiste em redigir uma carta e notificar o condutor de maneira extrajudicial.

Você pode tanto mover um processo civil para que o motorista conserte o seu veículo quanto reparar o dano por conta própria e obrigá-lo a arcar com o valor gasto na reforma.

Seja qual for o objetivo, é possível ir pessoalmente a um Juizado Especial. Reunir a documentação necessária e abrir um processo. Outra possibilidade é contratar um advogado para resolver a questão.

Homem anotando estragos causados em um carro.

Saiba como funciona o seguro para automóvel

Qualquer pessoa está sujeita a passar por uma situação de acidente ou ocorrência de trânsito, não é mesmo? Por isso, dispor de um seguro para automóvel é a melhor maneira de garantir a tranquilidade no caso de uma situação como essa.

Nesse contexto, quando contratar um seguro para o seu veículo, não deixe de conferir se a opção escolhida oferece cobertura para acidentes envolvendo terceiros. Afinal, você não vai querer descobrir isso em uma ocorrência ou batida, certo?

Dessa forma, é importante verificar se o seu seguro indeniza os danos causados em outro carro ou até mesmo em outras pessoas, como pedestres e passageiros. De posse desse tipo de serviço, é possível acionar a seguradora para providenciar o conserto do veículo envolvido ou da devida indenização.

Além disso, ao dispor de um seguro, você não precisa se preocupar com os procedimentos necessários para a resolução do caso, já que a companhia será responsável por toda a parte burocrática do processo.

Se já bateram no seu carro e você não soube o que fazer, agora já está mais preparado! É preciso manter a calma nesse momento e seguir os procedimentos acima. Dessa forma, você conseguirá resolver a situação da melhor forma possível. Prestar atenção quando se está ao volante e respeitar as leis de trânsito são deveres de todo motorista, bem como atitudes primordiais para evitar colisões e prejuízos para o seu bolso.

Este artigo foi útil para você? Então deixe seu comentário abaixo e compartilhe a sua opinião sobre o assunto!

Imagens: Homem ligando, corretora.

seguro garantia e cláusulas contratuais

Seguro Garantia: 08 principais vantagens dessa modalidade

O Seguro Garantia protege sua empresa contra possíveis prejuízos ocasionados pelo descumprimento de cláusulas em um contrato.

O seguro garantia é uma modalidade que visa atender as necessidades de empresas privadas, assim como de órgãos públicos. Tem a função de garantir que as cláusulas do contrato firmado sejam cumpriddas, oferecendo proteção contra o não cumprimento das mesmas. 

Além disso, também pode ser utilizado como proteção a execuções fiscais, e outras ações judiciais que possam colocar o patrimônio da empresa em risco. Em suma, o seguro garantia protege a empresa contra possíveis prejuízos ocasionados pelo descumprimento de contratos, como em licitações por exemplo.

Sendo a solução mais vantajosa para as empresas que precisam assegurar o cumprimento de contratos firmado. 

Seguro garantia pode ser firmado em diversas modalidades diferentes

Quais as modalidades do seguro garantia?

Por ser um seguro bastante importante para diversos segmentos o seguro garantia é dividido em várias modalidades diferentes, vamos conhecer as principais:

  • Garantia ao licitante: Garante que, nas licitações públicas ou privadas, o tomador vencedor do certame mantenha sua proposta e assine o contrato nas condições apresentadas e dentro do prazo estabelecido no edital.
  • Garantia para construção ou fornecimento de serviços: Garante o cumprimento de todas as obrigações assumidas no contrato para construção, fornecimento ou prestação de serviços, protegendo o segurado contra o risco de inadimplência do tomador.
  • Garantia de retenção ou adiantamento de pagamento: Há contratos que preveem a retenção de parte do pagamento até que o objeto do mesmo seja totalmente concluído. Além disso, o  Seguro Garantia pode ser apresentado para substituir estas retenções, liberando integralmente o pagamento.
  • Garantia imobiliária: Garantia das obras na construção de edificações residenciais e comerciais, bem como a entrega do imóvel, nas condições fixadas em contrato.
  • Garantia judicial: É utilizado em trâmites de processos judiciais quando o tomador precisa fazer um depósito em juízo em decisões ou acordos judiciais favoráveis ao segurado.

A escolha da melhor modalidade para cada tipo de contrato é fundamental para que o seu seguro garantia seja utilizado da forma mais assertiva possível. Por isso é recomendável sempre buscar auxílio especializado no momento da contração, um bom corretor pode ser muito útil para lhe ajudar a fazer a melhor escolha.

Quais as vantagens da contratação do seguro garantia?

Agora, vamos lhe apresentar as principais vantagens desta modalidade, para que não fique nenhuma dúvida no momento da contratação. Fique conosco e confira!

1 . Investimento menor

Como o seguro garantia é precificado pela corretoras que são especialistas em cálculos e análise de riscos, e não pelos bancos, como ocorre no caso da fiança bancária. Além disso, seu valor não está atrelado diretamente a taxas de juros. As corretoras precificam o valor do seguro para a sua empresa de forma mais justa, em consequência você paga menos pelo seu seguro.

2. Contratação agilizada

Como o seguro garantia depende apenas do envio de poucos documentos para a sua seguradora, a contratação é muito mais rápida do que em outras modalidades, que podem levar até 15 dias. Assim, após a entrega dos documentos, em poucas horas o seguro já é formalizado.

3. Sem retenção de recursos empresariais

A salvo em raras exceções, o seguro garantia não exige reciprocidade, ou seja, não existe a necessidade de aplicação de parte dos recursos, como ocorre, por exemplo na fiança bancária. Assim os recursos da sua empresa ficam disponíveis para serem utilizados em seu negócio. Além disso, o seguro garantia não compromete o limite de crédito e nem o capital de giro da sua empresa, já que ele entra no balanço patrimonial como um ativo e não um passivo.

4. Análise independente e objetiva

Outra vantagem desta modalidade é que a análise é realizada de forma independente, não sendo necessário nenhum tipo de relacionamento prévio. Assim ela se torna mais objetivo, visto que não é necessário por exemplo, realizar histórico da empresa, e nem possuir um relacionamento efetivo com um banco.

5. Possibilidade de novos financiamentos

Como o seguro garantia é uma operação realizada com a seguradora ela não restringe o acesso ao crédito, já que não possui vínculo bancário. Já em operações realizadas em bancos os valores reduzem o limite utilizado para futuros financiamentos.

6. Melhores opções de garantias

O seguro garantia como é desenvolvido com foco em necessidades específicas da sua empresa, tem o potencial para abranger uma vasta linha de opções, diferentemente da fiança bancária que apresenta diversas limitações. Além disso, você você tem liberdade para escolher as coberturas necessárias para proteger o contrato.

7. Maior agilidade em caso de sinistros

Da mesma forma, pelas suas características e por ser conduzido diretamente pela seguradora, o seguro garantia é uma solução muito mais prática quando existe a necessidade de ser acionado. O que lhe proporciona uma agilidade muito maior para a resolução do seu problema.

8. Melhor capacidade operacional e precificação

Tendo em vista que as seguradoras são especialistas em análise de riscos, elas podem pulverizar esses em seus contratos, oferecendo assim uma melhor capacidade operacional e melhores preços a seus clientes. Além disso, não existe taxas de renovação, como no caso da carta de fiança, que por sua vez acompanha a vigência do contrato, o que gera melhora ainda mais as condições de precificação para sua empresa.

Contudo, analisando as vantagens do seguro garantia, ele se torna uma opção muito mais vantajosa para a sua empresa do que a fiança bancária. Vale ressaltar que em alguns contratos, como em casos de licitações é exigido uma garantia contratual para comprovar que o vencedor tem condições de executar as obrigações assumidas, de acordo com  Lei nº 8.666/93.

Se quiser saber mais sobre fiança bancária, não deixe de conferir também: Diferenças entre fiança bancária e seguro garantia.

Lembre-se que para fazer um bom seguro garantia, é sempre importante escolher uma corretora da sua confiança. Escolha quem tem expertise no mercado e profissionais qualificados para lhe oferecer as melhores vantagens. Se estiver interessado, venha conhecer as opções disponíveis na LGD Corretora de Seguros. Nossa equipe está pronta para lhe receber!
Imagens: Notebook,contrato.

Esguncho de água em uma lavoura.

Entenda a importância do Seguro rural durante a safra verão

O seguro rural é de extrema importância, sobretudo durante a safra de verão, onde o produtor está suscetível às intempéries de natureza.

Quem trabalha com a produção rural está suscetível às intempéries da natureza. Afinal, os fenômenos naturais influenciam diretamente na colheita, nos preços dos produtos e, consequentemente, nos lucros obtidos. Daí a importância de se ter um seguro rural.

No verão, as variações climáticas são ainda maiores e podem levar à perda de toda a safra. Caso isso ocorra, é importante que o produtor tenha alternativas e consiga recuperar todo o investimento feito. Por isso, é essencial contar com um seguro rural.

Você sabe como o clima interfere na produção rural e como o seguro pode ajudar a evitar prejuízos na safra de verão? Confira neste artigo!

Como as mudanças climáticas podem interferir nas safras?

As condições climáticas e outros fenômenos naturais determinam o sucesso da safra. Cada região e tipo de produto têm suas particularidades e, por vezes, mínimas variações podem acarretar a perda da produtividade da lavoura. Entre os principais fenômenos estão:

  • ventos fortes e/ou frios;
  • incêndio;
  • chuvas acima do necessário;
  • geada;
  • queda de granizo;
  • seca;
  • infestação por pragas;
  • queda de raios;
  • amplas variações de temperatura.

Com tantos determinantes, não é possível contar com a sorte e entregar todo o investimento e trabalho aos cuidados da natureza. Mesmo com boas perspectivas para 2019, não é possível esquecer que tanto cultivos permanentes quanto temporários podem sofrer quebras.

Para evitar os prejuízos, a melhor alternativa é recorrer ao seguro rural. Entenda melhor o que é e como ele resguarda o produtor da perda da safra!

Uma planta nascendo.

O que é o seguro rural?

É um instrumento de política agrícola extremamente importante, pois confere proteção ao produtor rural contra eventuais perdas advindas de fenômenos da natureza, inclusive os climáticos.

Mas não são só as colheitas que o seguro rural protege. Ele abarca também a atividade pecuária, a produção, o crédito para comercialização de produtos, o patrimônio do produtor rural e o risco de morte.

Esse tipo de apólice possibilita a recuperação de investimentos feitos na produção rural quando ela for afetada por uma seca prolongada ou por chuvas mais intensas. Com isso, o produtor consegue evitar ou, ao menos, minimizar os prejuízos.

Qualquer pessoa física ou jurídica pode contratar esse tipo de serviço, desde que cultive culturas de acordo com o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

Quais são as modalidades do seguro rural?

Esse tipo de apólice tem produtos específicos para todas as fases do processo produtivo, ou seja, desde o plantio até o beneficiamento e processamento dos produtos.

Em decorrência da alta exposição a riscos financeiros advindos da probabilidade de interferência de fatores naturais, existem programas de subvenção para o pagamento de parte do prêmio do seguro. São eles:

  • seguro agrícola;
  • seguro pecuário;
  • seguro de penhor rural;
  • seguro de cédula do produto rural;
  • seguro de vida do produtor rural;
  • seguro de benfeitorias e produtos agropecuários;
  • seguro de florestas;
  • seguro aquícola.

Como o seguro rural é uma alternativa à perda da lavoura?

São inúmeras as variáveis que condicionam a quantidade e a qualidade da produção. No verão, estação marcada por chuvas intensas e fortes variações climáticas, as safras ficam ainda mais suscetíveis às intempéries da natureza.

Nessa época do ano, não é muito raro que os fenômenos naturais ocasionem prejuízos à colheita e, em alguns casos, até mesmo sua perda. Nessas horas, é fundamental contar com alternativas, como um seguro.

Além da proteção ao investimento e indenização em caso de sinistro, contratar o seguro rural significa conferir estabilidade financeira ao negócio, reduzir as perdas, gerar empregos no campo e estimular a implementação de técnicas e tecnologias na produção.

Vale lembrar também que o seguro reduz o êxodo rural, uma vez que possibilita a redução da inadimplência (decorrentes das perdas das produções) junto às financeiras. Consequentemente, os produtores conseguem perpetuar as atividades de plantio e permanecer no mercado.

Como você pode perceber, o seguro rural é de extrema importância, sobretudo durante a safra de verão. Investir nesse tipo de proteção é fundamental para evitar os prejuízos e garantir os lucros futuros.

Ficou com alguma dúvida sobre o seguro? Então entre em contato conosco. Certamente, nós encontraremos a melhor proteção para a sua safra!

Imagens: Plantação, terra.

Conversa entre três pessoas, ambas estão felizes.

3 dúvidas sobre seguro de vida que vamos esclarecer agora para você

As dúvidas sobre seguro de vida são frequentes e costumam gerar divergências entre os especialistas na área, os segurados e demais dependentes, a fim de não perder os direitos adquiridos.

No entanto, ler atentamente as cláusulas do contrato, analisar a situação envolvida e o histórico de desfechos em relação a esse problema. Além da consulta a um especialista, pode ajudar a sanar alguns questionamentos.

Quer esclarecer algumas dúvidas sobre seguro de vida? Então, fique conosco e leia atentamente este post!

Como funciona o seguro de vida?

O seguro de vida é um documento formalizado com as seguradoras, que prevê indenização para o segurado e seus beneficiários em caso de morte, mas pode incluir também coberturas opcionais de invalidez permanente ou parcial.

Frequentemente sua contratação é associada aos idosos, porém, os jovens são clientes em potencial. Principalmente porque ainda não acumularam patrimônio suficiente ou não têm uma família com dependentes.

O custo de seguro de vida leva em consideração fatores comportamentais e epidemiológicos. Nesse caso, indivíduos com diagnóstico de tabagismo e etilismo, além da idade avançada, terão um seguro mais elevado.

Medico escrevendo em sua prancheta.

Quais são as principais dúvidas?

Mesmo após a formalização do contrato, é possível requerer alterações ou reivindicar direitos diante das situações que ocorrem ao longo da vida. Acompanhe a seguir alguns questionamentos sobre o tema em questão!

1. Como é feito o cálculo do seguro de vida?

O valor resulta da análise do perfil do candidato e das coberturas solicitadas. No primeiro caso, englobam a faixa etária, o sexo e o estado de saúde dos indivíduos.

Assim, os jovens são os mais assediados para formalização do seguro e as mulheres também, devido à expectativa de vida maior.

Ressalta-se que muitas seguradoras realizam esse serviço para indivíduos a partir dos 16 anos e algumas estendem até os 80 anos de idade. Entretanto, a maioria opta por fechar contrato com pessoas de até 65 anos.

No segundo caso, além da cobertura básica contratada por morte, é possível incluir custos como invalidez por acidente, serviços de assistência como traslado, funeral etc.

2. Há indenização pelo diagnóstico de câncer?

O câncer atualmente é considerado uma doença crônica e, por isso, é passível de reverter os benefícios pagos pelas seguradoras. Além disso, muito se questiona se no momento da contratação ele já existia, denominando uma doença preexistente.

Teoricamente, a indenização pelo diagnóstico de câncer cobre 50% da cobertura de morte. Excetuando os tumores de pele e sempre observando o período de 60 dias de carência. Todavia, a jurisprudência é divergente em relação a esse porcentual, o que torna indispensável uma avaliação do caso individualmente.

3. Existe profissão recusada pelo seguro?

A seguradora pode recusar a formalização do contrato de indivíduos com profissões consideradas arriscadas. Porém, algumas aceitam esses segurados mediante cláusulas diferenciadas.

Em geral, os profissionais que podem sofrer recusa das seguradoras são: agente penitenciário, mergulhador, piloto automobilístico, trabalhador de plataformas petrolíferas, garimpeiros, aposentado por invalidez, entre outras.

Sanar as dúvidas sobre seguro de vida é fundamental para contratar o serviço adequado para cada indivíduo. Visto que isso ajuda no entendimento dos direitos, termos usados e quais as situações em que a indenização não será plenamente efetivada. O esclarecimento entre as partes é o passo fundamental para uma relação duradoura e de confiança.

E você, tirou suas dúvidas? Ainda precisa de orientações sobre seguro de vida? Então, entre em contato conosco!

Imagens: médico,

seguro garantia judicial

Entenda o que é Seguro Garantia Judicial e quais são os seus benefícios!

Com a finalidade de garantir os débitos judiciais substituindo o depósito em dinheiro, fiança bancária ou penhora de bens, o seguro garantia judicial proteje sua empresa de situações inesperadas que podem comprometer a saúde financeira do negócio.

Muitos empresários não sabem o que é seguro garantia judicial. Mas, entender o seu conceito é fundamental, tendo em vista a sua finalidade de garantir os débitos judiciais substituindo o depósito em dinheiro, fiança bancária ou penhora de bens, durante um trâmite processual, tornando o processo mais simples.

Se trata de uma modalidade de seguro recente, mas que tem recebido uma boa aceitação no âmbito judicial. Sendo utilizado como caução no processo ou como substituto de garantias já oferecidas.

Entre suas principais características estão a contratação e emissão de apólices ágeis. Garantindo assim mais eficiência do processo por não comprometer o caixa da empresa, entre outras.

Se você deseja conhecer melhor o seguro garantia judicial e quer saber quais são as suas vantagens, então, não deixe de ler o nosso post e conferir o material até o final. Boa leitura!

Qual é a previsão legal do seguro garantia judicial?

Em primeiro lugar, foi criado a Circular da SUSEP nº232/ 2003 para tratar do seguro garantia judicial. Entretanto, hoje, já se encontra em vigor a Portaria nº164/2014 publicada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

A quem esse tipo de seguro se destina?

O seguro garantia judicial é destinado para todas as pessoas jurídicas e que precisam fazer algum depósito no decorrer de um processo judicial. Entre as partes estão:

  • Segurado: é a parte ativa, ou seja, o provável credor da obrigação pecuniária (sob o juízo);
  • Tomador: é a pessoa jurídica, considerada a parte passiva no processo judicial ou administrativo que interpela a legalidade da obrigação pecuniária. É aquele que fará uso da apólice do seguro garantia.

Quais são as principais características do seguro garantia?

O seguro garantia judicial é uma modalidade que surge como uma alternativa ao tradicional depósito judicial e à temida penhora de bens nos devidos processos, seja nas esferas judicial ou administrativa.

Portanto, esse seguro se tornou disponível para utilização após mudança do Código de Processo Civil, em relação à lei de número 11.382/2006.

As características principais dessa modalidade são o baixo custo exigido, a agilidade na contratação e nos procedimentos envolvendo os devedores e credores.

Além disso em comparação às outras formas de caução legal, como a carta de fiança, o seguro garantia judicial é um instrumento bem menos oneroso para os devedores.

Mesmo sendo uma implementação recente, o seguro garantia já é amplamente utilizado no âmbito judicial. Seja como um procedimento de substituição às garantias dadas, seja como uma nova forma de caução no processo.

Inclusive, ele é regulamentado em todas as áreas (fiscais, trabalhistas, cíveis, cautelares).

Agilidade e fôlego ao processo de execução

Segundo o autor José Franklin de Sousa, no Processo de Execução no CPC/2015, o seguro garantia judicial, em substituição à penhora, é visto como grande avanço e um instrumento que confere um nível geral de agilidade e fôlego ao processo de execução.

Anteriormente, grande parte do cumprimento dos contratos era realizada por meio de caução se utilizando de títulos da dívida pública, fiança bancária e até em dinheiro.

Por outro lado, além do impacto no fluxo de caixa nos casos de depósitos diretos em dinheiro e os valores altos das fianças bancárias, o alto custo atrelado a essas garantias fez com que o seguro garantia ganhasse terreno.

Ele passou a ser utilizado para a discussão de débitos, sejam eles fiscais, administrativos ou judicialmente. Por instituições privadas e órgãos públicos — de administração direta ou indireta.

Assim, com a alta demanda e a movimentação advindas da inserção do seguro garantia, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) regulamentou de vez a modalidade em 2003 como meio de caução judicial.

Para amenizar as situações específicas nas quais o patrimônio da empresa se encontrava imobilizado, comprometendo o seu capital de giro com débitos ainda em discussão. O seguro garantia judicial surge como importante instrumento de agilidade no ordenamento jurídico brasileiro.

Pessoa assinando um contrato enquanto a outra aponta para algo no contrato.

Quando o seguro é aplicado?

A cobertura da apólice é limitada de acordo com o valor da garantia e será aplicada após o trânsito em julgado da sentença. Ou acordo judicial em favor à parte ativa.

Dessa maneira, é possível evitar que a parte passiva disponha do valor total a ser bloqueado como garantia. Pelo período em que a ação esteja em andamento.

O seguro garantia judicial pode ser utilizado no setor empresarial, principalmente como uma forma de caução no processo ou em substituição às garantias dadas.

Isso representa uma vantagem significativa. Já que fornece a possibilidade de manter o nível de capital de fluxo de uma empresa. Por exemplo, durante todo o processo judicial.

Algumas formas de aplicação do seguro são:

  • ações cíveis e trabalhistas em geral;
  • ações atreladas a débitos tributários, como ações anulatórios e mandados de segurança;
  • execução fiscal da união, estados ou municípios.

As ações são, basicamente, direitos judiciais de reclamação. As trabalhistas, por exemplo, lidam com os trâmites previstos nas normas referentes à Consolidação dos Leis do Trabalho (CLT).

Enquanto a execução fiscal é um termo que se relaciona a um procedimento especial em que a Receita requisita créditos devidos de contribuintes inadimplentes.

Quais são as vantagens de adquirir um seguro garantia judicial?

Existem várias vantagens em obter esse tipo de seguro. Vejamos a seguir algumas delas:

  • diminui a probabilidade de penhora online;
  • o capital de giro da empresa não fica comprometido, pois a empresa não precisa tirar dinheiro do caixa. O seguro garante o direito da parte que tem sentença favorável no processo;
  • pode ser usado como substituto de bens que já foram penhorados ou cauções já cedidas;
  • normalmente seu custo é menor do que os custos da fiança bancária;
  • com o seguro garantia judicial, o patrimônio da empresa não é bloqueado pela justiça.

Conseguiu entender melhor sobre o seguro garantia judicial? Enfim, agora você já sabe que se trata de uma nova modalidade de seguro que garante o pagamento das quantias referentes aos depósitos judiciais devidos por uma das partes do processo.

É uma ótima ideia para quem deseja proteger sua empresa de situações inesperadas. E que podem comprometer a saúde financeira do negócio.

Gostou do post e quer se engajar na discussão? Então, deixe um comentário e compartilhe a sua opinião sobre o assunto!

Imagens: Assinatura de contrato, empresária.

comunicar sinistro

Qual o prazo para comunicar sinistro? Saiba mais aqui!

Situações inesperadas relacionadas a acidentes de trânsito podem ocorrer com qualquer pessoa. E, apesar de serem comuns, acabam gerando contratempos para todos os envolvidos, mesmo quando há a cobertura de uma seguradora disponível, já que muitos segurados não sabem qual é o prazo para comunicar sinistro.

Para evitar erros nos procedimentos, que podem impactar na eficiência da seguradora em prestar o serviço, elaboramos este post para esclarecer as principais dúvidas que podem surgir no momento de comunicar sinistro. Confira!

Como comunicar ou acionar o sinistro para a corretora?

O acionamento deve ser realizado por meio dos contatos disponibilizados pela empresa. No caso de colisão:

  • verifique se todos estão bem;
  • realize o boletim de ocorrência;
  • entre em contato com a seguradora, que dará todas as informações de como proceder para realizar o reparo do dano.

Nesse caso, se não for possível remover o veículo, é possível contar com o serviço de assistência 24 horas e usar o guincho, que será enviado pela seguradora.

Já nos casos de roubo ou furto:

  • comunique a situação para a polícia e registre o boletim de ocorrência;
  • avise a seguradora para que se inicie o processo de indenização e para receber todas as orientações necessárias.

Qual é o prazo para comunicar sinistro?

O recomendável é entrar em contato com a seguradora o mais rápido possível. Normalmente, o prazo nos casos de colisão para segurando e de até 1 ano contato a partir do sinistro, enquanto nos casos em que terceiros ou beneficiários devem receber a indenização é de 3 anos.

Por este motivo, é necessário conhecer sua apólice, já que nela estão escritos todos os prazos e regras para a cobertura. Na dúvida, entre em contato com a segurados para receber essa informação. Provavelmente, você terá um prazo razoável para fazer essa comunicação.

Quais cuidados são necessários ao comunicar o sinistro?

Entre os principais cuidados que devem ser tomados estão:

  • entenda a cobertura contratada por você, tendo em vista que a seguradora só poderá ajudar se o serviço necessário foi contratado;
  • no caso de batida, anote todos os dados necessários, como placa, cor e modelo dos automóveis envolvidos;
  • tire fotos, pois, assim fica mais fácil identificar os carros envolvidos e a posição deles depois da colisão;
  • mantenha sua CNH válida, já que a condução do veículo por pessoa devidamente habilitada é uma condição geral das seguradoras;
  • leve o carro para ser reparado em estabelecimentos credenciados e recomendados pela seguradora, já que ela será a responsável pelo serviço realizado.

Quais são os documentos solicitados nesse momento?

Cada segurado possui o seu procedimento interno para tratar dessas situações. Porém, alguns documentos são exigidos pela maioria das empresas. São eles:

  • boletim de ocorrência com o registro do sinistro;
  • cópia do RG;
  • cópia do CPF;
  • cópia do documento do carro;
  • Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV);
  • cópia da CNH.

Agora que você já sabe qual é o prazo para comunicar sinistro, não deixe de contratar uma seguradora especializada, da sua confiança e que esteja disponível para oferecer todas as orientações nesse momento, tornando mais fácil essa situação tão ruim para todos os envolvidos.

Quer contar com todo auxílio que uma seguradora pode oferecer? Entre em contato com a gente e veja como podemos ajudar!

seguro garantia e fiança bancária

Você sabe a diferença entre fiança bancária e seguro garantia?

Existem serviços que foram criados especificamente para assegurar que o teor contratual seja executado. São eles a fiança bancária e o seguro garantia. A contratação desses serviços é fundamental para garantir a saúde do negócio e gerar a segurança necessária em situações de eventuais imprevistos.

Em qualquer negociação, é comum que alguma das partes não cumpra com seus deveres, seja por eventos imprevisíveis, má-fé ou mesmo por motivos pessoais. No entanto, tais inexecuções trazem grandes prejuízos ou atrasam o desenvolvimento das companhias.

Elaboramos este artigo para que você entenda a diferença entre fiança bancária e seguro garantia. Prossiga a leitura e saiba suas vantagens e desvantagens e também qual deles atenderá melhor às suas necessidades. Boa leitura!

Quais são os conceitos de fiança bancária e seguro garantia?

Ambos são instrumentos que objetivam garantir o cumprimento de contratos. No entanto, cada tipo apresenta suas peculiaridades que geram diferentes consequências práticas.

Em suma, a fiança bancária consiste em um contrato em que uma instituição bancária, no papel de fiadora, garante o cumprimento do trato firmado entre o afiançado e seu credor. O banco emite uma carta fiança com prazo máximo, que será demonstrada pelo contratante em eventual cobrança ou execução pelo credor.

Além disso, similar ao instituto anterior, o seguro garantia é uma relação contratual em que o tomador paga um prêmio (mensalidade do serviço) para a seguradora garantir o cumprimento das obrigações,entregando indenizações ao segurado — beneficiário da apólice.

No seguro, diferentemente da fiança bancária, não há a necessidade de se aguardar a cobrança até que haja a entrega do capital. Dessa forma, o serviço não será interrompido e não haverá moratória no pagamento.

Homem segurando uma caneta em cima de uma folha quanto usa uma calculadora.

Qual desses serviços devo escolher?

As implicações da explicação acima são de que, no caso da fiança bancária, você assume que o banco atua como o fiador de um contrato.

Isso significa que, em caso de descumprimento das cláusulas — quase sempre, o momento em que a parte contratante deixa de prestar um serviço previsto em contrato por determinado motivo — o banco vai arcar com esse valor e cobrar a dívida do contratado.

Como é de se esperar, a instituição bancária oferece esse serviço porque vislumbra ganhos com os lucros do dinheiro afiançado para saldar a dívida. Então, existem condições (valor das prestações, juros etc.) que você deve conhecer antes de optar por essa garantia.

Quanto ao seguro garantia, seus pagamentos são anteriores a qualquer problema contratual. Uma vez contratado esse serviço, o tomador (no caso, você ou sua empresa) se compromete a pagar um valor mensal à seguradora.

Assim como acontece com a fiança bancária, ele visa a resguardar o segurado (isto é, a empresa para a qual um serviço vai ser prestado e que exige o seguro como adicional no cumprimento do contrato) de eventuais problemas na prestação do serviço.

Muitos empreendedores têm dúvidas sobre qual dessas duas opções escolher. O ideal é que, antes de definir qual será o melhor recurso, seja feita uma avaliação das características e vantagens de cada um.

Os dois apresentam diferenças que devem ser muito bem analisadas, contudo, é possível observar que oseguro garantia detém inúmeros benefícios que fazem com que a sua preferência seja indiscutível. Confira, a seguir, uma breve explicação dessas vantagens.

Aperto de mão entre duas pessoas.

Economia

Como a contratação de uma fiança é feita junto a uma instituição bancária, há diversas taxas que são calculadas sobre o valor e prazo da carta fiança. Esse fato já é esperado, visto que as cobranças legais que recaem sobre um banco têm valores muito mais elevados que uma seguradora. O seguro garantia possibilita a negociação de coberturas e detém políticas de taxas mais flexíveis.

Agilidade

É sabido que, em nosso país, os bancos apresentam métodos burocráticos e complicados em muitos casos. Para utilizar qualquer serviço da instituição, é necessário enfrentar filas e revisitar o estabelecimento diversas vezes.

Acontratação realizada em seguradoras é simples e ágil, basta que sejam enviados os documentos requisitados e haja a negociação das coberturas. Portanto, essas empresas sempre buscam a satisfação de sua clientela e usarão de todos os meios disponíveis para agradá-la e assegurar a sua fidelidade.

Flexibilidade de contratação

Assim como as demais modalidades de seguros, o de garantia oferece uma customização da apólice para que ela se encaixe perfeitamente no perfil do contratante. Dessa forma, você não ficará limitado a um único modelo padrão e genérico de contratação. Listamos, a seguir, algumas das coberturas tradicionais existentes:

  • do concorrente: há indenização caso o tomador rejeite propostas preestabelecidas;
  • do executante: garante fiel execução de contrato;
  • de adiantamento de pagamento;
  • de retenção de pagamento: substitui retenção que recai sobre faturas;
  • de manutenção corretiva: indeniza prejuízos decorrentes de inexecuções contratuais;
  • garantia aduaneira: garante pagamento de tributos relacionados à importação que foram suspensos;
  • entre outras garantias estruturadas.

Menores taxas

A fiança bancária emitida por um banco costuma ser acompanhada de altas taxas de juros em relação às cobradas por grande parte das seguradoras. Por exemplo, a cobrança de taxa anual do seguro garantia gira em torno de 0,3% e 3%, enquanto a média da fiança bancária fica entre 3% e 7%.

Manutenção do limite de crédito

Quando a fiança bancária é contratada, uma parte do limite de crédito junto ao banco é retirada. Isso significa que, caso a companhia precise futuramente de um empréstimo, o crédito que poderá ser financiado será menor. Essa é uma grande desvantagem, principalmente para as organizações que necessitam desse valor para exercer sua atividade.

Com o seguro garantia isso não acontece, já que ele é adquirido por meio de seguradoras, não por uma instituição bancária. Assim, se a empresa necessitar de um empréstimo, terá o limite de crédito integral disponível.

Um outro detalhe que vale a pena mencionar é que o seguro garantia é um serviço. Logo, ele entra nos ativos da sua empresa, e não nos passivos, o que significa que o seu fluxo de caixa não será comprometido.

Cobertura negociável

Em geral, a cobertura presente nas cláusulas de uma apólice de seguro garantia é flexível. Isso é importante para a empresa, uma vez que possibilita a personalização, permitindo inserir coberturas adicionais. Basta avaliar quais são mais adequadas às necessidades do negócio.

Com a fiança bancária é diferente, tendo em vista que as cláusulas não são negociáveis, uma vez que seguem um modelo padronizado.

Rapidez no acionamento

Nas situações em que for preciso acionar o seguro garantia, isso poderá ser realizado de forma simples e ágil. A liberação da cobertura por parte da seguradora deve acontecer logo após o encaminhamento dos documentos necessários.

o acionamento da fiança bancária engloba uma grande burocracia, o que atrasa o processo de liberação. Será necessário ir ao banco, esperar um bom tempo em filas e outras desvantagens. Além disso, é preciso esperar a cobrança por parte do credor para que a fiança seja liberada, o que implica em pausa do serviço, o que não acontece com o seguro garantia.

Tempo de vigência

Considerar o prazo de vigência também é importante no momento de fazer a melhor escolha. O prazo do seguro garantia é definido no contrato e prevê a prorrogação automática. Dessa forma, é possível criar uma apólice customizada, conforme a duração da prestação de serviços.

No caso da fiança bancária, o prazo geralmente é de um ano, sem a viabilidade de prorrogação. Até existe a chance de que o prazo ultrapasse a duração do serviço, ocasionando no desperdício de recursos.

Independência de contratação

A análise de fiança bancária poderá passar pelo histórico da companhia no banco e, em alguns casos, depender de uma boa relação com o mesmo. Já o seguro garantia é realizado comseguradoras especializadas e independentes, não exigindo esse relacionamento anterior.

Risco pulverizado

A cobrança de juros por parte dos bancos varia conforme uma série de fatores. Entre os aspectos econômicos como taxas permitidas por instituições que controlam indicadores econômicos e custos do empréstimo, está o risco de inadimplência de um empréstimo.

Ou seja, quanto mais arriscada é uma operação financeira que o banco oferece, maiores são as suas taxas de juros. E, ao aderir à fiança bancária, você responde por essa mesma taxa, independentemente do seu histórico com aquela instituição.

No caso do seguro garantia, por ser um serviço oferecido pelas seguradoras, a lógica de cálculo de juros é diferente. Os riscos são verificados caso a caso, e faz parte do modelo oferecido monitorar esses riscos mais frequentemente.

Na prática, isso significa que as taxas e encargos dependem muito mais do que o seu contrato representa do que de médias frias de mercado. Com taxas melhores, você tem acesso a condições mais satisfatórias.

Pessoa segurando uma ampulheta.

Maior confiança no vendedor

Com o seu caso sendo observado mais de perto, as condições oferecidas são sob medida. Isso demanda que o vendedor do seguro garantia compreenda suas necessidades, e passe a atuar como um consultor.

Isso cria entre vocês uma relação de confiança. Você pode contar com a opinião dele sobre assuntos que não domina e ele, por sua vez, percebe rapidamente que a honestidade e objetividade dessas informações é o que vai manter o cliente.

Depois de ter acesso às semelhanças e diferenças entre a fiança bancária e o seguro garantia, fica fácil perceber que a segunda opção é indubitavelmente mais vantajosa.

Além de permitir uma personalização da apólice e melhor custo-benefício, o seguro garantia possibilita a continuidade do serviço. Isso faz com que o desenvolvimento e a performance financeira do empreendimento não sejam interrompidos por eventos inesperados.

Entretanto, como o seguro é muito mais flexível, é recomendada a contratação de uma corretora para auxiliar o cliente a realizar as negociações e escolher qual seguradora atenderá as suas necessidades.

Afinal, especialistas na área sabem exatamente que modalidade de seguro indicar e, como demonstramos, estão acostumados a avaliar o seu caso em específico, fazendo sugestões personalizadas.

Enfim, agora que você sabe a diferença entre fiança bancária e seguro garantia, aproveite sua visita ao nosso blog para entender o que é oseguro garantia judicial e quais são os seus benefícios. Ele também pode ser bastante útil para você!

Imagens: contrato, mãos dadas, relógio.

seguro condomínio

Como funciona a contratação do seguro condomínio? Tudo que o síndico precisa saber está aqui!

Neste artigo, você vai entender o que é o seguro condomínio, qual a sua importância, tudo sobre sua contratação e como escolher uma boa corretora. Confira!

Seguros são essenciais para proteger o seu patrimônio, seja uma empresa, casa ou carro. Por isso, ter uma boa noção sobre esse serviço e como ele é oferecido no mercado é tão importante. Para expandir seus conhecimentos, hoje falaremos da contratação do seguro condomínio!

Contratação do seguro condomínio: o que é e qual a sua importância?

O seguro condomínio é uma modalidade de seguro que protege conjuntos de imóveis, sejam eles residenciais ou comerciais. Ele é de contratação obrigatória, de acordo com o Art. 1346 do Código Civil.

A obtenção desse seguro é de extrema importância, pois além de evitar prejuízos impagáveis ao condomínio em caso de sinistros, ele previne que o responsável seja multado ou processado pela não contratação.

Quais são os tipos de coberturas existentes?

Existem dois tipos de coberturas para condomínios, as obrigatórias e as adicionais. Dentro do grupo das obrigatórias existem duas modalidades (o plano básico e o amplo), podendo o responsável optar por uma das duas no momento da contratação.

Coberturas obrigatórias: básica simples e básica ampla

O que diferencia uma modalidade da outra, dentro das duas opções de coberturas obrigatórias, é a abrangência de cada plano.

Na cobertura básica simples, o seguro cobre apenas os danos aos imóveis causados por incêndio, explosões e quedas de raio. Já na cobertura básica ampla, problemas como danos elétricos, desmoronamento e impacto de veículos podem fazer parte do pacote.

Vale pontuar que as coberturas obrigatórias só cobrem os danos da área em comum e a estrutura física (isto é, paredes, pisos, portas, janelas e tubulações). Caso se queira segurar os objetos do interior das moradias, é necessário contratar um seguro residencial.

Coberturas adicionais

Além das obrigatórias, existem coberturas adicionais que podem ser contratadas com base nas necessidades do condomínio. Alguns exemplos são:

  • danos materiais  e corporais aos condôminos ou visitantes;
  • danos elétricos;
  • furto ou roubo;
  • danos elétricos;
  • vidros;
  • vendaval e impacto de veículos;
  • vida e acidentes de funcionários.

Como funciona a contratação do seguro?

Após a emissão do Habite-se, o síndico é responsável pela contratação do seguro e tem até 120 dias para realizá-la.

Para calcular o valor que será pago no seguro do condomínio é utilizado como base o valor necessário para a sua reconstrução de acordo com o índice CUB (Custo Unitário Básico da construção) ou o preço por metro quadrado.

Por isso, nesse momento, é essencial que o síndico busque ajuda profissional. As corretoras de seguros podem ajudar para que esse cálculo não seja feito maneira errônea.

Duas pessoas apertando as mãos.
A ajuda de um profissional sempre é muito importante para evitar cálculos errôneos.

Como escolher uma boa seguradora?

Depois de se reunir com os condôminos e decidir o que deve ser protegido, o próximo passo é contratar um seguro.

Para isso, é interessante e recomendável contatar uma corretora de seguros para que um profissional capacitado dê uma noção de qual apólice, cobertura e empresa atendem a demanda daquele condomínio e de seus moradores.

Além disso, também é importante pesquisar a reputação da seguradora na internet e saber se ela é de confiança antes de contratar o serviço.

Portanto, para evitar quaisquer problemas e dores de cabeça, a contratação do seguro deve ser feita com antecedência e de forma bem planejada. Portanto, lembrando que a contratação dos seguros adicionais não excluí a obrigatoriedade da contração do plano simples ou amplo.

Por falar em contratação do seguro condomínio, você sabia que temos uma variedade de opções de seguros? Entre em contato conosco e conheça nossos produtos!

Imagens: contrato.

E-BOOK TUDO QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE O SEGURO EMPRESARIAL​

Ter um seguro empresarial é indispensável. Afinal, por meio dele é possível proteger o negócio de diversos riscos que podem prejudicar as finanças e destruir todo o trabalho investido na busca do sucesso da empresa.