Artigos escritos por

LGD Corretora de Seguros

produtos contaminados

Produtos Contaminados: Como proteger a sua empresa?

Ter o nome da sua marca envolvido em um caso de produtos contaminados pode ser muito prejudicial para o seu negócio, financeiramente e mercadologicamente. Mas como proteger sua empresa nesses casos?

Quem assiste diariamente ao noticiário deve ter presenciado nos últimos dias a discussão acerca de casos de contaminação de pessoas, por produtos alimentícios e bebidas. É um tema preocupante e que gera muita insegurança no consumidor. 

Além disso, por se tratar de um assunto do interesse da população em geral, sendo assim esse tema logo toma grande proporções afetando a imagem das empresas envolvidas.

Mas a verdade é que não é de hoje que assuntos como contaminação e até envenenamento de produtos comestíveis e bebidas, além de problemas com falta de informações nas embalagens e adulteração de produtos viram notícia.

Quem trabalha com produtos do ramo alimentício e de bebidas sabe como são complexas as regras que regem esse serviço. São muitos cuidados e normas que precisam ser seguidos para que um produto de qualidade possa chegar a casa do consumidor. No entanto mesmo a mais idônea das empresas está sujeita a sofrer esse risco.

Notícias como essas, acabam por abalar a imagem da empresa envolvida, e comprometem sua reputação junto aos seus consumidores. Causando danos bastante consideráveis as empresas desses ramos, tanto financeiros como de prestígio.

Porém a verdade é que a maioria das empresa que se envolvem neste contexto não tem intenção de infringir as normas e regras vigentes. Mas o que ocorre é que produtos alimentícios e bebidas, estão constantemente exposto a riscos de contaminação, mesmo que acidentais.

Mesmo com novas tecnologias e testes para evitar e coibir esses incidentes, o fato é que eles ocorrem, e com uma frequência maior do que podemos imaginar. Gerando instabilidade para as empresas, além é claro de altos custos para o gerenciamento da cadeia logística.

Quanto custa para a empresa um incidente com produtos contaminados?

incidente por contaminação
Um incidente com contaminação de produtos pode levar uma empresa a fechar as portas

Imagem de Kevin Schneider por Pixabay 

Considerando o que já falamos até aqui, pense bem. Quanto custa para uma empresa, recolher lotes de produtos afetados pela contaminação? Ter suas vendas reduzidas por ocasião de um incidente e pela falta de confiança de seus consumidores? Além de multas e processos legais que podem ocorrer dependendo da gravidade do problema?

São danos imensuráveis! Dependendo da gravidade da ocorrência, uma empresa pode até fechar as portas em decorrência de uma crise como essa. Afinal leva-se muito tempo para construir um nome no mercado, mas pouco é necessário para uma marca cair em descrédito. 

Mas então como resolver esse problema? Confira algumas dicas que podem ajudar a minimizar o impacto negativo em seu negócio.

1 – Investir em tecnologias de alta precisão

Os consumidores estão cada vez mais exigentes, e nas últimas décadas tem surgido um perfil de cliente que escolhe o que vai comprar com base na sua origem e processo de produção. 

Sendo assim as empresas que desejam se manter fortes no mercado precisam entrar na fase da revolução tecnológica. Desenvolvendo soluções para substituir os processo convencionais por outros mais modernos e inovadores, com alta precisão.

Utilização da biotecnologia, por exemplo será uma nova realidade.

Quanto a segurança os produtos alimentícios devem apresentar: ensaios nutricionais e ou fisiológicos e ou toxicológicos em animais de experimentação; A fim de garantir a qualidade do produto para o consumidor final.

A exemplo, podemos citar a indústria do pescado, que vem desenvolvendo uma tecnologia para rastrear o produto desde sua origem até o prato do consumidor. Assim o cliente fica sabendo de onde vem o peixe que está consumindo e tem maior confiança na hora da compra.

Sendo assim, mesmo que aconteça um incidente de contaminação em sua empresa, você terá dados, pesquisas e testes que comprovem sua idoneidade perante seus consumidores, melhorando a imagem da sua empresa frente a crise.

2 – Controle de qualidade e segurança alimentar

Quando falamos de contaminação nas empresas alimentícias, a maior preocupação está na contaminação microbiológica, ou seja, aquela oriunda de bactérias, leveduras e vírus. Mas a verdade é que o assunto vai mais além. A contaminação pode ocorrer por resíduos de produtos químicos de limpeza nos equipamentos, vazamentos entre outros.

Por esse motivo, uma fiscalização rígida e permanente é essencial para garantir a qualidade do seu produto. Seguir as regras de segurança alimentar e higiene em todos os setores da empresa é fundamental para minimizar os riscos de contaminação, e também para melhorar o processo de fabricação do seu negócio.

3 – Quer ter uma garantia? Então contrate um seguro.

seguradora oferecem serviços adicionais para lhe ajudar a sair da crise
Algumas seguradora oferecem serviços adicionais para lhe ajudar a sair da crise

Imagem de Lucia Grzeskiewicz por Pixabay 

Como vimos até aqui é bastante criterioso o processo de análise e controle nas empresas alimentícias, por isso, que mesmo com todo o controle, acidentes podem acontecer. Para que sua empresa não seja pega de surpresa, uma dica fundamental é contratar um seguro para produtos contaminados.

Assim caso ocorra algum incidente sua empresa estará assegurada financeiramente para arcar com os custos. Além disso, algumas seguradoras oferecem serviços adicionais como consultoria de gerenciamento da crise, e indenizações caso sejam necessárias.

O seguro para produtos contaminados é um investimento que compensa!

Enfim, não é fácil gerir uma empresa da área alimentícia e de bebidas, mas o importante é ter métodos que ajudem a manter a sua empresa forte e com bons resultados. Se você ficou interessado e deseja saber mais sobre essa modalidade de seguros, entre em contato conosco.

A LGD atua a 30 anos no mercado, prestando serviços no desenvolvimento de programas de seguros e negócios futuros, oferecendo a melhor qualidade possível aos seus clientes. Teremos prazer em esclarecer todas as suas dúvidas e ajudar sua empresa!

seguro contra acidentes da natureza.

Seguros e fenômenos da natureza: quando ele cobre os danos?

Você já parou para se perguntar como funciona a relação entre seguros e fenômenos da natureza? Portanto as possibilidades de estragos resultantes do meio ambiente são muitas e é importante ficar de olhos abertos.

Neste post, você verá o que são considerados fenômenos da natureza, qual relação têm com o seguro, os danos cobertos e o que cada um representa. Preparado? Então, vamos lá!

O que são considerados fenômenos da natureza?

Os fenômenos naturais representam qualquer coisa que acontece sem depender da ação do homem. São causados pela interação dos elementos físicos do planeta. Portanto coisas simples, como nascer do sol e erosão, podem ser enquadradas nessa categoria.

No entanto, os seguros consideram fenômenos que têm potencial de dano para o segurado. E o que isso significa? Na prática, que o seguro relaciona os danos ligados a fatores meteorológicos. É o caso dos vendavais, raios, tempestades, e por aí vai.

Quais são os danos cobertos?

Após entender a relação entre seguros e fenômenos da natureza, é importante ter conhecimento dos tipos de danos que costumam ter cobertura. Assim, veja alguns exemplos.

Quedas de árvores

O Brasil é um país que apresenta grande número de quedas de árvores e já chegou a marcar 665 casos em pouco mais de um dia. Portanto se você vive em uma área com muitas tempestades, uma cobertura que assegure esse risco pode ser uma boa opção.

Alagamentos

Os alagamentos podem provocar danos nos automóveis com o comprometimento da parte mecânica, a entrada de água no motor e a perda do estofamento. No entanto, se o segurado se expor a riscos de forma imprudente, como optar por uma via alagada mesmo quando tiver outras opções, a seguradora pode recusar o ressarcimento.

Granizo

As chuvas de granizo são conhecidas por causar vários estragos, desde o destelhamento de casas até a destruição de plantações. E com os seus bens não é diferente. A lataria dos veículos, por exemplo, sofre com riscos e amassados. Caso os vidros sejam danificados, existem coberturas adicionais para reposição e reparo.

Imagem de um céu dramático.

Vendavais

Assim como as chuvas, os vendavais também causam estragos e provocam destelhamentos, chegando a 75 km/h em alguns estados. Em dias de tempestade, esse fenômeno pode provocar danos e acidentes. As coberturas básicas cobrem esse tipo de dano, desde que não prejudiquem acessórios, como rádios e faróis de milha.

Desmoronamento

O desmoronamento é incluso em coberturas compreensivas, ou seja, que englobam os riscos da básica e alguns elementos extras. É um fenômeno perigoso e comum em várias rodovias e habitações nas cidades brasileiras.

O seguro residencial cobre os danos causados por fenômenos naturais.

Incêndio

Os incêndios são cobertos nas coberturas básicas e podem ter muitas origens, desde problemas elétricos até vazamentos. Portanto em muitos casos, os bens afetados são irrecuperáveis, tornando essa cobertura uma das mais importantes.

Boa parte dos riscos ligados aos fenômenos naturais são inclusos nas coberturas básicas de seguros residenciais e automotivos. Ainda assim, vale ficar de olho nas coberturas adicionais para ter um plano mais completo e personalizado.

A relação entre seguros e fenômenos da natureza pode ser muito positiva se você escolher as coberturas mais adequadas ao seu perfil. Essa é uma forma de se livrar de vários apuros e de garantir apoio e ressarcimento.

Enfim, quer saber mais sobre como lidar com os riscos ambientais? Então, leia o post em que explicamos como se prevenir deles!

Imagens: Sol, céu.


Facebook


Twitter


Linkedin


Instagram

risco ambiental no transporte rodoviário

Seguro contra acidente ambiental no transporte: entenda por que contratar um

O seguro contra acidente ambiental é uma modalidade com reconhecimento crescente no país devido às vantagens oferecidas, especialmente no atendimento emergencial fornecido.

Diversos são os riscos ambientais causados pelo transporte rodoviário, entre eles, o tombamento de caminhão com lixo tóxico e a emissão de poluentes. Dependendo do tipo de acidente, muitos danos são causados ao meio ambiente e à saúde das pessoas que habitam certa região, provocando sérios problemas financeiros e jurídicos para a companhia. Nesse caso, contar com um seguro contra acidente ambiental no transporte é fundamental.

Apesar de ser uma modalidade com reconhecimento crescente no país, é importante entender melhor sobre ela. Devido às vantagens oferecidas, especialmente no atendimento emergencial fornecido.

Para esclarecer as principais dúvidas, elaboramos este post. Confira!

O que é o seguro contra acidente ambiental no transporte?

Se trata de um tipo de apólice contratada pela empresa, principalmente as que usam algum tipo de produto que possa provocar poluição ou degradação ambiental na execução dos seus serviços. O seguro garante, dentro das coberturas contratadas, o ressarcimento dos prejuízos causados ao meio ambiente, originários das atividades desenvolvidas pelo segurado, com o objetivo de reparar e corrigir esses danos.

riscos amnientais no transporte
Muitas são as exigências para o transporte de cargas que podem trazer algum risco ambiental.

Qual é a importância desse seguro?

Conforme a Política Nacional do Meio Ambiente, Lei Federal nº 6938/81, em seu artigo 14, parágrafo 1º, o poluidor tem a obrigação, independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os prejuízos gerados ao meio ambiente e a terceiros, caso a sua atividade seja a provocadora de um acidente ambiental.

Qual é a cobertura?

Entre as principais coberturas do seguro contra acidente ambiental no transporte estão:

  • limpeza da área;
  • remediação;
  • danos materiais;
  • danos pessoais;
  • locais de descarte de resíduos;
  • lucros cessantes (segurado e terceiros).

Como a avaliação do seguro é realizada?

Antes de o seguro ser contratado, é realizada uma avaliação dos possíveis fatos geradores e danos potencias relativos às operações do segurado, além da co-responsabilidade nas atividades.

Porque é necessário contratar o seguro?

Os danos ambientais podem provocar prejuízos irreparáveis, além de afetar negativamente a reputação da empresa. Por este motivo, toda organização deve se proteger e resguardar dos acidentes ao meio ambiente. E o seguro é uma forma de se precaver desse tipo de situação.

Todas as atividades de risco possuem chances de que seu exercício provoque um impacto ambiental, e quando isso ocorre, a resolução normalmente engloba procedimentos complexos e caros. Além disso, existe o desafio da empresa em executar as medidas emergenciais, e o seguro pode providenciar essas práticas ou reembolsar do segurado.

Agora que você entende melhor o que é o seguro contra acidente ambiental no transporte sua importância, coberturas e vantagens. É necessário entender que a sua contratação pela empresa não a isenta cuidar do meio ambiente. Hoje as companhias já estão mais conscientizadas quando a isso, buscando se manter regulares às leis vigentes de proteção ambiental, além de prezar pela sustentabilidade, redução de poluentes e demais problemas que podem gerar problemas e demandas judiciais.

Quer proteger sua empresa em relação ao acometimento de danos provocados por acidentes pessoais e a penalizações que essas ações podem causar? Então, entre em contato com a gente, conheça nossos serviços e veja como podemos ajudar!

carro reserva

Carro reserva: tire as dúvidas sobre seu seguro automotivo!

Contar com um seguro automotivo significa proteção ao patrimônio, tranquilidade no cotidiano e aumento da qualidade de vida. Uma grande vantagem é contar com um carro reserva.

Imprevistos acontecem e ter com o que contar nesses momentos faz toda a diferença. Entretanto, após contratar o seguro, algumas dúvidas permanecem, principalmente aquelas relacionadas à cobertura e à utilização dos serviços de assistência como carro reserva.

Separamos para você um artigo com as principais informações sobre o carro reserva. Confira!

O que é necessário para contar com essa assistência?

O carro reserva não faz parte da cobertura básica do seguro. Mas para contar com essa vantagem, o segurado deve optar por esse tipo de assistência no momento da assinatura do contrato.

Entretanto, caso você não tenha incluído o carro reserva na cobertura do seguro, entre em contato com seu corretor para realizar um endosso.

Quando o carro reserva faz parte da cobertura, basta acionar a seguradora. Na ocasião, ela indicará o local de retirada do automóvel.

Portanto ao retirar o veículo, o segurado deverá apresentar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e o cartão de crédito (procedimento padrão necessário ao pagamento da franquia em caso de sinistro).

Quando o carro reserva pode ser usado?

O carro reserva não pode ser usado indiscriminadamente. O serviço pode ser acionado nos casos de:

  • roubo ou furto do carro principal;
  • quando o carro segurado estiver em reparo ou manutenção;
  • o carro principal for danificado de forma irreparável (perda total);
  • quando houver sinistros decorrentes de fenômenos naturais (se cobertos pela apólice).

Além dessas limitações, algumas outras podem ser impostas, a depender do seguro. Por isso, é importante conversar com o seu corretor acerca das previsões da apólice.

Família sentada no porta malas de um carro em uma viagem estão todos felizes.

Quais são as condições de uso do carro reserva?

Existem algumas limitações quanto ao uso e você precisa conhecê-las para evitar dores de cabeça. Basicamente, existem 2 condições.

Geralmente, o veículo reserva disponibilizado pela seguradora é um modelo básico (sem opcionais, como ar-condicionado, direção hidráulica etc.). Então é possível desfrutar de um carro com tais recursos. Entretanto, as condições devem ser negociadas com a seguradora e o segurado possivelmente terá que arcar com os custos adicionais.

A segunda diz respeito ao tempo. Assim também, é preciso verificar na apólice qual é o prazo estabelecido pela seguradora para o uso do carro reserva. Quando há limitação de tempo estipulada, o prazo de utilização varia entre 7 e 15 dias. Vale lembrar que, quanto maior o prazo de uso do carro adicional, maior será o valor do investimento no seguro.

Normalmente, as seguradoras têm parcerias e programas de benefícios que oferecem descontos aos contratantes. Por isso, é possível negociar as condições de uso do carro reserva. Ou seja, alugar um carro com desconto quando o período de uso for superior ao da apólice ou optar por outro modelo até a resolução do sinistro.

Quais são os cuidados necessários na hora de contratar?

Antes de incluir o carro reserva na sua apólice, é importante analisar se ela é viável financeiramente. Então o ideal é colocar tudo no papel e verificar qual o acréscimo do serviço. Feito isso, compare o valor adicional ao custo médio das diárias de locação.

Além disso, é imprescindível conhecer bem as condições de uso do carro reserva, uma vez que elas variam de acordo com a seguradora e com o plano contratado.

Outro fator a ser considerado é a existência de eventuais limitações ao uso do veículo reserva. Alguns contratos limitam o número de vezes que essa cobertura pode ser acionada (em alguns casos, o segurado só pode recorrer a ela uma única vez).

Além disso, você deve ficar atento ao uso que faz do veículo, pois algumas corretoras restringem o veículo reserva à utilização pessoal, o que impossibilita que você empregue-o para fins de trabalho.

Por isso incluir o carro reserva na cobertura do seguro traz muitas vantagens. Ficar sem automóvel após o sinistro pode inviabilizar a realização de algumas atividades, inclusive de lazer familiar. Lembre-se de que usar o carro reserva acarreta responsabilidades, no entanto. Por isso, é preciso manter a cautela ao dirigir e evitar riscos!

Portanto, não se esqueça de que o sucesso da proteção do patrimônio depende da escolha da corretora. Enfim, prefira empresas confiáveis e com boa reputação no mercado. Agora que você já sabe tudo sobre o carro reserva, confira como escolher o seguro do carro!

Imagens: Família no carro, motorista.

seguros empresariais

Conheça 8 seguros para empresas que são imprescindíveis

Arriscar e empreender podem parecer palavras compatíveis à primeira vista, não é? Ainda assim, isso não significa que você precisa correr riscos desnecessários. Os seguros para empresas evitam todo tipo de problema e contam com várias coberturas para necessidades diferentes.

Quer saber quais são as melhores opções de seguros para empresas? Listamos, neste post, algumas das várias modalidades que você não pode deixar de conhecer. O que acha de continuar com a gente?

1. Responsabilidade Civil

O seguro de responsabilidade civil cobre os danos que a sua empresa pode provocar a alguém. O que isso significa? Digamos que você tenha um estabelecimento comercial e um cliente passe mal por um produto contaminado. Se a sua modalidade de RC prever, a seguradora arca com a indenização.

2. Seguro RC Operador Portuário

Se a sua empresa atua em áreas do porto ou instalações portuárias, esse seguro pode ser útil para você. O “RC” é uma sigla para “Responsabilidade Civil”. Isso significa que o objetivo é a cobertura dos danos causados a terceiros. Quem é o operador portuário? De forma geral, é o profissional que faz atividades de carga e descarga, lidando com os vários riscos da prática.

3. Seguros RC Ambiental

Esse seguro para empresas funciona de forma parecida com o operador portuário. Se sua empresa promove impactos negativos ao meio ambiente e a terceiros, a lei indica que você vai precisar repará-los, certo? A cobertura serve justamente para cobrir esse tipo de acontecimento, deixando a cargo da seguradora.

4. Seguro Patrimonial

O seguro patrimonial cobre edifícios, móveis, utensílios, instalações e por aí vai. Os riscos são variados — incêndio, raios, explosões e fumaça. Algumas coberturas são opcionais e entram de acordo com a necessidade da empresa, como danos elétricos, tempestades e vendavais.

5. Seguro Garantia

Firmar acordos também é correr riscos, não é? O seguro garantia assegura o cumprimento de obrigações em contratos, sejam serviços, editais, fornecimentos ou licitações. Nesse caso a seguradora serve como a intermediadora.

6. Seguro Transporte

Esse seguro cobre prejuízos nas mercadorias e bens ao transportá-las. O objetivo é garantir segurança nas viagens e fazer com que a carga chegue ao destino sem sofrer com problemas e riscos. Saiba tudo sobre seguro transporte no nosso Guia.

7. Seguro de Vida

O seguro de vida conta com várias coberturas diferentes e indenizações em casos variados, como invalidez ou doença grave. Algumas despesas médicas e gastos com internações também podem entrar.

8. Seguros Frotas

Os seguros de frotas oferecem coberturas de dois ou mais carros estão entre as funções do seguro frota. As regras para a contratação variam de seguradora para seguradora. Algumas exigem um número específico de veículos, por exemplo.

Como você pôde ver, os seguros para empresas são boas opções na hora de evitar prejuízos e garantir a segurança do negócio. Isso serve tanto para ressarcir os próprios danos, quanto para indenizar os danos a terceiros.

Não se esqueça de pesquisar bem antes de optar por um plano específico. Escolha uma empresa com experiência no mercado, boas opções de modalidades e que aposte em inovação e melhoria.

O que acha de escolher seu seguro em parceria com uma quem realmente valoriza a personalização e a confiabilidade? Então, entre em contato com a gente!

liquidação de sinistro

Fique por dentro de como funciona a liquidação de sinistro!

A liquidação de sinistro é um processo muito importante, tanto para o segurado quanto para a seguradora. Afinal, aqueles que contratam um serviço de proteção precisam ser amparados após o dano. E a seguradora, por sua vez, deve oferecer aos clientes as melhores soluções e o suporte necessário para minimizar os prejuízos sofridos.

O sucesso dessa liquidação requer alguns trâmites. Considerando o contrato firmado, e está associado às responsabilidades tanto do contratante quanto da contratada. Mas, afinal, você sabe quais são e como funcionam esses procedimentos? Descubra tudo o que você precisa neste artigo!

O que é a liquidação de sinistro?

Chamamos de “sinistro” qualquer acidente ou evento não previsto, causado por contingências externas, que é capaz de gerar algum tipo de prejuízo financeiro ao segurado. A liquidação de sinistro, então, é o processo necessário para o recebimento da garantia contratada (ou prêmio). Ao final dele, a seguradora paga ao cliente uma indenização de acordo com os valores e coberturas delimitadas no contrato.

Vale lembrar, porém, que o seguro não tem o de objetivo prover lucro ou melhorias ao objeto alvo da apólice: representa apenas o ressarcimento do bem segurado. O cálculo do valor possivelmente considerará a época de ocorrência do sinistro e a depreciação (vida útil, idade e uso) do objeto segurado. No caso de um seguro de vida, por exemplo, o total da indenização será baseada tanto no capital segurado quanto na tabela de cálculo da SUSEP.

Além disso, nem todo sinistro é passível de indenização. O pagamento só ocorre quando o dano é coberto pelo contrato e após um procedimento denominado “regulação de sinistro”.

Vidro quebrado.

Como a liquidação funciona?

Antes de concretizar a indenização, a seguradora verificará a causa e a extensão do dano. Bem como o custo do prejuízo e os termos nos quais o pagamento será realizado. Isso envolve uma série de responsabilidades que se iniciam na própria comunicação do sinistro.

O Código Civil, em seus artigos 206 e 771, indica questões relacionadas ao aviso de sinistro, à prescrição e à perda do direito à indenização. Cabe ressaltar também que a seguradora deve ser informada logo que o acidente ocorrer. Veja as etapas em que esse processo funciona:

  • aviso do sinistro à seguradora;
  • verificação dos danos — comprovação das perdas, circunstâncias do fato, causas e extensão do sinistro;
  • análise — exame do laudo de vistoria, da apólice e de outros documentos necessários;
  • finalização — pagamento ou negativa (com justificativa) de indenização com base nas outras etapas da liquidação de sinistro.

Geralmente, o não pagamento por parte da seguradora está relacionado a ações ilegais do segurado ou à ausência de previsão de cobertura do sinistro na apólice.

Qual é o papel da seguradora?

Assim que o sinistro é comunicado a seguradora deve dar início às atividades necessárias à liquidação. Bem como abreviar os processos para que o pagamento da indenização seja realizado. Respeitando-se, é claro, os períodos previstos pela legislação e pelo contrato.

Em suma a empresa ou a corretora de seguros deve oferecer ao segurado todas as informações técnicas e jurídicas. Sanar suas eventuais dúvidas e prestar o auxílio necessário ao desfecho adequado da ocorrência. Muitas vezes, os corretores também são responsáveis pela mediação de possíveis conflitos entre a empresa e o cliente.

Enfim, entender o funcionamento da liquidação de sinistro é mesmo muito importante. Afinal, somente ao conhecer os procedimentos é que o segurado consegue agir da melhor maneira para evitar dores de cabeça e a perda de direitos. Podendo se reorganizar após o acidente.

Agora que você já sabe como funciona o pagamento da indenização, confira também o que deve ser feito quando alguém colide com o seu veículo!

Imagens: empresária, vidro.

A importâncio do condomínio estar segurado

Como ter a melhor cobertura de seguro condomínio e os cuidados que os síndicos devem ter?

Cada vez mais, síndicos têm percebido a necessidade de protegerem o imóvel do condomínio que administram. No entanto, muitos ainda não descobriram qual o melhor seguro condomínio, quais são as principais coberturas e vantagens desse tipo de serviço.

Possivelmente, o imóvel em um condomínio é o seu bem de maior valor e protegê-lo significa garantir que os imprevistos não serão capazes de abalar o patrimônio construído ao longo de muitos anos de trabalho. Além disso, esse investimento ajuda no controle financeiro, já que o condomínio segurado poderá eliminar diversos gastos decorrentes de emergências.

Quer saber qual o melhor seguro condomínio? Confira a seguir tudo o que você precisa saber!

O que é o seguro condomínio?

O seguro condomínio é uma modalidade de serviço que tem como objetivo conferir proteção aos imóveis e áreas comuns de condomínios. Sejam eles usados como moradia habitual, seja como local para passar férias ou temporadas.

A principal característica desse tipo de apólice é o fato de ela ser multiriscos. Ou seja, trata-se de uma modalidade de seguro que oferece proteção contra diversos riscos. Continue a leitura e entenda melhor!

Quais as coberturas do seguro condomínio?

O primeiro passo para compreender as coberturas do seguro condomínio é ter clareza que ele cobre os danos na construção. Ou seja, a quantia da indenização não corresponde ao valor total do imóvel, mas aos gastos relacionados à restituição de bens danificados, furtados ou roubados, bem como aqueles necessários à reconstrução.

Assim como no seguro automotivo, as coberturas são definidas na apólice. Elas são delimitadas de acordo com a disponibilidade dos serviços oferecidos pela seguradora e, claro, pelas necessidades do cliente. Portanto, no momento de contratar o seguro, além de optar pelas coberturas fundamentais. Você poderá proteger o condomínio de outros riscos e contar com diversos serviços oferecidos pela empresa.

No caso do seguro total, por exemplo, o ambiente fica segurado nas ocorrências de explosões, incêndios, roubos, furtos, desmoronamento, danos a terceiros, raios e outros fenômenos da natureza. Sempre que necessário a empresa contratada deverá reconstruir ou consertar o que foi danificado, o que inclui tubulações, acabamentos, janelas, pintura, forros etc.

Cabe lembrar que o valor do investimento varia de acordo com o plano escolhido. Ou seja, quando o seguro é contratado para proteger eventos menos recorrentes, o custo é menor. Quando ele tem que cobrir sinistros que acontecem com mais frequência, o valor pode aumentar.

Quais são as vantagens da apólice condomínio?

Como você viu, o seguro condomínio oferece proteção ao seu patrimônio em diversas situações. Por exemplo, nos casos de incêndios, furtos, roubos, alagamento etc. No entanto, esse não é seu único benefício. Além de cobrir eventuais danos ao imóvel, a contratação de uma apólice para o condomínio tem as seguintes vantagens:

  • preço acessível — o valor pago no seguro é inferior ao valor que você gastaria caso tivesse que cobrir os prejuízos causados por algum infortúnio;
  • planos personalizados — com o auxílio de um corretor, o segurado pode escolher as coberturas e o plano que mais se adéqua a sua realidade;
  • assistência 24 horas — alguns planos incluem serviços emergenciais, tais como de chaveiro, bombeiro hidráulico e eletricistas;
  • help desk — alguns planos oferecem serviços para solucionar problemas com aparelhos eletrônicos, como computadores, TV, videogame, celulares etc.
  • descontos — algumas seguradoras contam com parcerias para oferecer descontos em outros serviços, por exemplo, aluguéis de carro, restaurantes, transportadoras, eventos culturais etc.
  • check-up automotivo — engloba serviços gratuitos de avaliação da suspensão, pneus, freio, direção, óleo e filtros do veículo;
  • atendimento em clínicas veterinárias — alguns planos oferecem ainda atendimentos para seu pet em clínicas veterinárias.

Como escolher a melhor cobertura para seu condomínio?

Agora que você já sabe o que é o seguro condomínio e conhece os inúmeros benefícios que ele oferece para os moradores, continue a leitura e veja o que você precisa levar em consideração na hora de contratar o serviço!

Entenda suas necessidades

A primeira coisa que deve ser feita é entender quais necessidades devem ser atendidas pela apólice. Só a proteção básica é o suficiente ou existem outros riscos no local onde está situado o condomínio? Depois de fazer essa avaliação, fica mais simples identificar o melhor plano e garantir o sucesso da proteção.

Muito importante é saber quais as coberturas que o seguro vai garantir

Ajuste as coberturas básicas com as adicionais

Como já foi dito, a apólice básica compreende, obrigatoriamente, proteção contra incêndio, raio e explosão. Mas, como as seguradoras oferecem outros tipos de coberturas, para fazer a melhor combinação, faça uma análise detalhada da localização do imóvel e de suas características para descobrir a quais riscos seu condomínio está mais suscetível. Nessa etapa, o ideal é que você recorra ao auxílio de um corretor.

Procure por uma seguradora confiável

Para evitar problemas quando for preciso utilizar os serviços do seguro e ter todas as garantias do contrato cumpridas, escolha uma seguradora efetiva e experiente no mercado.

Portanto, busque conhecer melhor a empresa antes de contratá-la. Visite o site da seguradora, verifique suas avaliações nas páginas de reclamações e, ao entrar em contato, observe a qualidade do atendimento oferecido ao cliente. Lembre-se de que além de reconhecida pelo mercado, a empresa deve ser regulamentada pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)

Conheça sua apólice de seguro

A melhor forma de entender cada detalhe do seguro condomínio escolhido é ler com atenção o contrato. Por isso, antes de assinar o documento, faça todas as averiguações necessárias e jamais deixe as dúvidas de lado.

Elas devem ser esclarecidas no momento da negociação para evitar possíveis dores de cabeça. Portanto, pergunte sempre que necessário. Dê especial atenção às cláusulas que dispõem sobre as coberturas contratadas, valor da franquia, preço, data da vigência, forma de pagamento etc.

Além disso, antes de fechar o negócio, compreenda quais são os procedimentos necessários nos casos de sinistro. Ou seja, o que você precisará fazer, por exemplo, caso ocorra um incêndio em seu imóvel. Saber exatamente como proceder nos momentos emergenciais e seguir as exigências da seguradora possibilitará que a liquidação de sinistro aconteça o mais rápido possível.

Imprevistos acontecem, não é mesmo? Como você observou, saber qual o melhor seguro condomínio e recorrer a uma empresa confiável permite ao segurado desfrutar de diversas vantagens, eliminar os prejuízos e, claro, garantir a qualidade de vida daqueles que residem no imóvel.

Enfim, agora que você já sabe qual o melhor seguro condomínio. Que tal curtir nossa página no Facebook para acompanhar as novidades e se manter informado sobre as melhores proteções patrimoniais?

Reunião entre cinco pessoas, estão todos olhando para um tablet, ambos felizes.

Você já ouviu falar do seguro de vida em grupo? Saiba como funciona

O seguro de vida em grupo é uma modalidade de proteção que pode ser contratada pelas empresas, associações, sindicatos ou funcionários para atender às necessidades de um grupo de pessoas unidas por um interesse comum, ou qualquer outro tipo de vínculo.

O sucesso de uma empresa depende da proteção do patrimônio adquirido, mas também dos cuidados oferecidos à saúde de seus colaboradores. Nesse cenário, o seguro de vida em grupo é o principal aliado dos empreendimentos.

Isso porque ele pode aumentar a qualidade de vida dos funcionários, oferecer aos empresários e membros da empresa a tranquilidade necessária e evitar possíveis perdas financeiras diante de um imprevisto.  Além de ser a mais contratada por oferecer menor custo, quando comparada ao seguro de vida individual, a proteção coletiva tem algumas particularidades.

Confira, a seguir, o que é o seguro de vida em grupo, como ele funciona, quais são as principais diferenças e coberturas.

coberturas do seguro de automóveis

Saiba mais sobre as coberturas do seguro auto e como melhor escolhe-las?

Se você está com dúvida sobre como funcionam as coberturas do seguro auto, nada melhor do que ter informações valiosas sobre os benefícios que elas proporcionam.

Existem diversas opções disponíveis no mercado para as coberturas do seguro auto que devem ser analisadas pelos clientes com muita atenção. Ao optar por um seguro, você pode evitar gastos desnecessários com itens como manutenção e guincho.

Primordialmente, ao adquirir um carro, é normal que você tenha preocupações em conservá-lo. Dependendo da atividade profissional e da rotina, a vida fica bem mais complicada sem um meio rápido de locomoção. Para você ter um veículo sempre à disposição, é interessante conhecer as coberturas do seguro auto.

Para tal, neste post vamos destacar as coberturas mais ofertadas pelas seguradoras e indicar o que deve ser levando em consideração ao escolher uma delas. Confira!

Conheça as modalidades de coberturas do seguro auto

Se você está com dúvida sobre como funcionam as coberturas, nada melhor do que ter informações valiosas sobre os benefícios que elas proporcionam. Acompanhe!

Cobertura básica

Ela abrange danos materiais provocados por colisões, enchentes, explosões, incêndios e outros acidentes naturais. Além disso, envolve casos de roubo ou furto.

No entanto, no caso de acessórios (rádios, faróis de milha etc.), a seguradora não tem a obrigação de cobri-los. Isso faz com que esses itens sejam contemplados em outra apólice.

seguro auto
Se você está com dúvida sobre como funcionam as coberturas, nada melhor do que ter informações valiosas sobre os benefícios que elas proporcionam.

Cobertura compreensiva

Além dos elementos previstos na básica, essa cobertura engloba várias situações, como:

  • capotagem;
  • derrapagem;
  • dados provocados por terceiros;
  • desmoronamento;
  • quedas de raios e de objetos do ambiente.

Cobertura para roubo e furto

Inegavelmente, essa cobertura é recomendada para os que estão financiando o veículo e já o utilizam. Também é indicada para automóveis com mais de 6 anos, clientes jovens e proprietários de carros esportivos e importados.

Eventualmente essa cobertura ainda pode ser contratada por taxistas e pelos motoristas cadastrados em aplicativos, como Uber e Cabify.

Cobertura para danos a terceiros

Eventualmente, e a pedido do segurado, essa cobertura pode ser inserida no seguro. Ela também conhecida como Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V). O objetivo é garantir a indenização a outras pessoas envolvidas em um acidente.

Além disso, abrange o pagamento por danos materiais e morais e a quitação de despesas relacionadas com advogado e custas judiciais.

Cobertura para acidentes pessoais de passageiros

Essa cobertura tem como prioridade a indenização de passageiros com despesas médicas e hospitalares. Contudo, também contempla casos de falecimento ou de invalidez permanente. Para evitar problemas, é importante definir os valores dessa cobertura no contrato.

Coberturas adicionais do seguro auto

Caso a seguradora permita, é possível adquirir coberturas adicionais para diversos itens, como:

  • acessórios (aparelhos de imagem e som);
  • assistência 24 horas (incluem serviços de eletricista, mecânico, guincho etc.);
  • blindagem;
  • carro reserva;
  • carta verde (cobertura que atende o veículo em países do Mercosul);
  • kit gás (utilizada para casos de dano no equipamento);
  • vidros (reposição ou reparo).

Veja o que considerar ao escolher a modalidade de cobertura

É muito importante pesquisar não apenas os valores oferecidos pelas seguradoras, mas também a reputação delas no mercado. Como já informa o velho ditado popular: o barato pode sair caro.

Então, para você escolher a cobertura ideal, verifique os principais riscos a que está sujeito. Caso a cidade onde mora tenha um elevado índice de roubo e furto a veículos, invista em um seguro que possa atendê-lo da melhor forma possível nessa situação.

Do contrário, se for contratar uma cobertura adicional, avalie se ela realmente vale a pena. Afinal, o bom senso pode ajudá-lo a fazer um investimento útil para você e a sua família.

Com certeza, optar por uma cobertura para o seu carro é uma medida perfeita para proporcionar mais segurança e conforto. Quanto mais fácil resolver as demandas do cotidiano, mais tempo você terá para momentos de lazer.

Assim sendo, para entender melhor as vantagens das coberturas do seguro auto, leia, agora mesmo, este artigo sobre 7 benefícios incríveis ao optar por um seguro. Estar bem informado é imprescindível para fazer bons negócios!

Image Netto Figueiredo from Pixabay 

mudar de corretora de seguros

Como faço pra mudar de seguradora? Descubra os cuidados necessários

Diversos motivos podem fazer com que você queira mudar de seguradora. Seja a busca por um serviço mais completo, por um menor valor, a insatisfação com o serviço prestado, além de diversos outros fatores.

Contudo, antes de tomar essa decisão de mudar de seguradora, você deve fazer uma avaliação dos prós e contras dessa mudança, para saber se é a decisão mais correta e quais os impactos que ela pode trazer.

Pensando nisso, elaboramos este texto para que você entenda como trocar de seguradora, tendo a certeza de que está tomando a melhor decisão. Confira!

Quando pensar em mudar de seguradora?

Existem situações em que realmente é melhor mudar de seguradora, como:

  • a busca por coberturas mais abrangentes;
  • a insatisfação com o serviço prestado pela seguradora atual.

Embora as seguradoras ofereçam coberturas parecidas, alguma pode ter o diferencial que você está procurando. Portanto, pesquise bastante antes de realizar a mudança. Compare as coberturas, os preços, a avaliação dos clientes, etc. Todas essas informações ajudarão vocâ a tomar a decisão mais racional.

Quais cuidados devem ser tomados ao trocar de seguradora?

  • o momento ideal para fazer a troca é na renovação do seguro, porém, se você mudar de seguradora com a apólice ainda vigente, a atual deverá ser cancelada;
  • entre em contato com o corretor e faça o pedido de um endosso de cancelamento, que é o documento em que constam todas as informações sobre o cancelamento e o perfil do cliente. Provavelmente você vai receber um reembolso residual;
  • você vai precisar também de toda documentação, inclusive a que diz respeito à classe de bônus do seguro que você possui agora. Ela é essencial para que você adquira descontos no novo seguro.

O bônus do seguro é uma vantagem para o cliente que não aciona a seguradora ao longo do período estabelecido para o vencimento da apólice. Seu valor pode ser descontado a partir do 2º ano, sendo pessoal e intransferível valendo, inclusive, para a nova seguradora.

Como é feita a vistoria?

Uma nova vistoria deve ser realizada. Esse serviço varia de uma seguradora para outra, já que cada uma delas segue padrões diferentes para fazer as análises de risco, afetando diretamente no valor final da apólice.

mudar de seguradora
Nova vistoria deverá ser feita ao mudar de corretora de seguros.

O que deve ser observado ao escolher a nova seguradora?

Alguns critérios são importantes e devem ser observados no momento de escolher uma nova seguradora. Veja a seguir quais são!

Compare os serviços de cada seguradora

Nem sempre o melhor preço é o mais vantajoso, por isso, compare as coberturas e os serviços adicionais de cada seguradora. Mesmo que as coberturas extras não sejam consideradas uma necessidade, elas podem ajudar bastante em casos de emergência.

Avalie a franquia

Quem tem um seguro paga um valor correspondente ao prêmio, contudo, se ocorrer o sinistro a franquia será cobrada, por isso esse fator deve ser considerado.

Então, não deixe de comparar o valor da franquia da atual e da nova seguradora, afinal uma pode ser mais vantajosa do que a outra neste quesito.

O que fazer para pagar menos no seguro?

Para tentar pagar um valor mais baixo no seu seguro, faça a cotação com várias seguradoras. Além disso, tente se beneficiar de promoções e descontos que elas possam oferecer.

Você também pode usar alguns equipamentos de segurança, fazendo com que o valor do seu seguro diminua pelo bem ser considerado mais protegido.

Se deseja mudar de seguradora, siga as nossas dicas e avalie qual será a mais vantajosa para você. O ideal é obter o melhor custo/benefício e se sentir mais tranquilo e protegido.

Quais são as suas experiências com seguros? Deixe seu comentário aqui e diga para a gente sua opinião e ideias sobre o assunto! Se tiver dúvidas, contate-nos.

Imagem de JESHOOTS.COM on Unsplash

seguro garantia judicial

Quais são as vantagens para sua empresa em adquirir um seguro garantia judicial?

O seguro garantia judicial é destinado a todas as pessoas jurídicas e que precisam fazer algum depósito no decorrer de um processo judicial.

Muitos empresários não sabem o que é seguro garantia judicial, porém entender o seu conceito é fundamental, tendo em vista a sua finalidade de garantir os débitos judiciais substituindo o depósito em dinheiro, a fiança bancária ou a penhora de bens, durante um trâmite processual, tornando o processo mais simples.

Trata-se de uma modalidade de seguro recente, mas que tem tido uma boa aceitação no âmbito judicial. Também sendo utilizado como caução no processo ou como substituto de garantias já oferecidas.

Entre suas principais características, estão a contratação e a emissão de apólices ágeis, mais eficiência no processo pelo fato de não comprometer o caixa da empresa etc.

Se você deseja conhecer melhor o seguro garantia judicial e saber quais são as suas vantagens, acompanhe o nosso post até o final. Boa leitura!

Três pessoas em uma mesa, duas estão conversando a outra está mexendo em um notebook.

Qual é a previsão legal do seguro garantia judicial?

Inicialmente, foi criada a Circular da SUSEP nº 232/2003 para tratar do seguro garantia judicial. Porém, hoje, encontra-se em vigor a Portaria nº 164/2014 publicada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

A quem esse tipo de seguro se destina?

O seguro garantia judicial é destinado a todas as pessoas jurídicas e que precisam fazer algum depósito no decorrer de um processo judicial.

Entre as partes, estão:

  • segurado: é a parte ativa, ou seja, o provável credor da obrigação pecuniária (sob o juízo);
  • tomador: é a pessoa jurídica, considerada a parte passiva no processo judicial ou administrativo e que interpela a legalidade da obrigação pecuniária. Essa é a parte que fará uso da apólice do seguro garantia.

Quando o seguro é aplicado?

A cobertura da apólice é limitada de acordo com o valor da garantia e será aplicada após o trânsito em julgado da sentença ou o acordo judicial em favor da parte ativa. Dessa maneira, é possível evitar que a parte passiva precise dispor do valor total a ser bloqueado como garantia, pelo período em que a ação estiver em andamento.

Quais são as vantagens em adquirir um seguro garantia judicial?

Existem várias vantagens em obter esse tipo de seguro. Vejamos, a seguir, algumas delas:

  • diminui a probabilidade de penhora online;
  • o capital de giro da empresa não fica comprometido, pois a organização não precisa tirar dinheiro do caixa. O seguro garante o direito da parte que tem sentença favorável no processo;
  • pode ser usado como substituto de bens que já foram penhorados ou cauções já cedidas;
  • normalmente, seu custo é menor do que os custos da fiança bancária;
  • com o seguro garantia judicial, o patrimônio da empresa não é bloqueado pela justiça.
Mulher sentada em uma mesa, usando um notebook pesquisando sobre o seguro garantia judicial.

Qual é a diferença entre o seguro garantia judicial e a fiança bancária?

Se você já parou para pensar no que acontece quando um contrato não é cumprido, portanto saiba que a fiança bancária e o seguro garantia são duas soluções possíveis para esse tipo de problema.

E qual é a diferença entre as duas formas? A resposta envolve vários fatores. A fiança bancária conta com um contrato usando um banco como fiador. O objetivo é garantir o cumprimento do contrato por todas as partes.

O seguro garantia tem o mesmo objetivo — trazer garantia judicial e assegurar o cumprimento do contrato. A diferença é que a emissão não é feita por uma instituição financeira.

O ponto positivo do seguro garantia é o tempo. Você só precisará enviar a documentação para a seguradora, sem a necessidade de aguardar um certo prazo, como em cartas de fiança. As seguradoras também permitem a negociação e a flexibilidade na contratação, sem um modelo “pronto”, como os financeiros.

Quais são os tipos de ação judicial que podem ser aceitos?

O seguro garantia judicial é usado por qualquer pessoa jurídica em alguns casos específicos de ação judicial. Aqui, entram ações trabalhistas, cíveis, de execução fiscal e ligadas aos débitos tributários.

As modalidades de cobertura do seguro variam de acordo com as prioridades de ação judicial do segurado. O seguro garantia do concorrente, por exemplo, assegura a indenização em propostas preestabelecidas.

Outras variações são: seguro garantia aduaneiro, de manutenção corretiva, de retenções de pagamento, de adiantamento de pagamento, do executante construtor, do executante fornecedor e do executante prestador de serviços.

O pagamento das indenizações em decorrência dos processos trabalhistas, por exemplo, é garantido pelo seguro, servindo como alternativa ao depósito judicial que desequilibra o fluxo de caixa das empresas.

Como fazer a contratação do seguro garantia judicial?

O primeiro passo para fazer a contratação é entrar em contato com uma seguradora e solicitar uma cotação. Portanto o cadastro costuma ser feito pelo preenchimento de informações ligadas à atuação da empresa, como representantes, principais acionistas, referências comerciais e por aí vai.

Em seguida, a seguradora faz uma análise de crédito para ver os riscos envolvidos no contrato e a apólice é emitida em caso de aprovação. A vigência e os valores variam de acordo com a modalidade do seguro garantia.

Você precisará levar alguns documentos, como comprovante de residência, declarações do IRPF, contrato social, balanços da empresa, balancete acumulado, também referências bancárias e certidões negativas.

Fique de olho no contrato

É importante ficar de olho em algumas informações no contrato do seguro. Quais são os riscos cobertos? E o período de vigência? Quais são os limites de indenização? Então as respostas para essas perguntas são importantes.

Conseguiu entender um pouco mais sobre o seguro garantia judicial? Agora, você já sabe que se trata de uma nova modalidade de seguro que garante o pagamento das quantias referentes aos depósitos judiciais devidos por uma das partes do processo. 

Assim, torna-se uma ótima ideia para quem deseja proteger sua empresa de situações inesperadas e que podem comprometer a saúde financeira do negócio. E como perceber isso? Basta observar a liberação de capital de giro, a redução de custos, a substituição de bens penhorados e a possibilidade de contar com liquidez imediata da apólice.

Lembre-se de sempre verificar a reputação da seguradora no mercado. Para isso, você pode consultar ex-clientes, verificar as redes sociais e acessar os sites de defesa dos direitos do consumidor.

Enfim, gostou do nosso post sobre o seguro garantia judicial? Você viu um seguro voltado para o mundo empresarial, certo? Então, o que acha de conhecer um que ajuda a assegurar e a garantir sua própria casa? Contamos mais sobre isso no nosso post sobre o seguro residencial!

Imagens: Conversa, mulher.

rastreador veicular

Rastreador de veículos: vale a pena ter um?

Um rastreador de veicular tem se tornado cada vez mais necessário para proteger o patrimônio pessoal e empresarial .

Quando os bens são os automóveis, é preciso ainda mais atenção, já que, no Brasil, a taxa de furtos e roubos é altíssima. Na hora de definir qual a melhor estratégia para evitar os riscos cotidianos, é indispensável ficar atento às novas tendências e averiguar qual a melhor solução. Nesse contexto, surgem muitas dúvidas, principalmente sobre o rastreador de veículos.

Vale a pena instalar um rastreador veicular? Ele substitui o seguro? Confira neste artigo tudo o que você precisa saber sobre o assunto e acerte na escolha da proteção mais adequada para você e para a sua empresa!

O que é e como funciona o rastreador veicular?

O rastreador é um pequeno dispositivo de geolocalização, semelhante a um aparelho celular (tecnologias GSM, SMS, GPRS, GPS).  Após instalado, ele possibilita o acompanhamento da circulação e estacionamento do veículo através de sinais de antenas e/ou satélites.

Como nos celulares, é necessário um chip telefônico para o envio de comandos via SMS. Dessa forma, as mensagens enviadas para as plataformas de rastreamento permitem ao dispositivo informar as coordenadas geográficas do veículo (inclusive, sem o uso da internet).

Basicamente, os rastreadores funcionam de duas formas: radiofrequência (RS) ou Sistema de Posicionamento Global (GPS). Os rastreadores de veículos por radiofrequência, são tecnologicamente mais avançados e operam a partir da captação dos sinais triangulados pelas redes de antenas receptoras. Geralmente, é indicado para grandes centros urbanos e apresenta maior qualidade de sinal e cobertura.

O sistema GPS, por sua vez, costuma ser recomendado aos veículos que circulam majoritariamente nas estradas. Ele é integrado por três componentes básicos: utilizador, espacial e controle. Em termos gerais, o utilizador é o receptor GPS, o espacial é o sistema de satélites em órbita e o controle se refere às estações que mantém atualizadas as posições dos satélites.

Mulheres olhando a tela de um tablet
Em alguns casos é possível rastrear o carro em tempo real.

Quais as vantagens do rastreamento?

Adquirir um rastreador significa saber exatamente onde o veículo está. Nos casos de roubos e furtos, isso garante o resgate do patrimônio evitando, portanto, um grande prejuízo. Saber onde o carro está também quer dizer que, nos casos de sequestro, o socorro possivelmente será mais assertivo. Logo, há um aumento considerável da segurança dos motoristas e passageiros.

Entretanto, essas não são as únicas funcionalidades do dispositivo. Veja outras vantagens do rastreador de veículos:

  • baixo custo de instalação e monitoramento;
  • instalação fácil;
  • não demanda análise de perfil;
  • alguns modelos permitem ouvir o que acontece no interior do veículo;
  • possibilita a gestão da frota, encomendas e cargas;
  • reduz o valor do seguro;
  • bloqueador remoto do motor;
  • assistência 24 horas.

Atualmente, existem diversos tipos de rastreador. Cada modelo tem suas particularidades e funcionalidades. Portanto, é preciso escolher aquele que melhor atenda às suas necessidades.

Rastreador de veículos ou seguro auto?

Possivelmente, você observou que rastrear um veículo tem vantagens que vão além da proteção do patrimônio. Talvez surja o questionamento: vale a pena contratar um seguro? A resposta é sim! A instalação do acessório deve ser encarada como um complemento e não como a proteção total, já que muitas vezes o rastreador está condicionado ao seguro.

Vale lembrar que furtos e roubos não são as únicas fontes de dano. Acidentes acontecem e estar amparado nas emergências faz toda diferença. Não precisar se preocupar com a resolução de alguns problemas significa, inclusive, ter mais tempo para a família e para outras atividades.

Portanto, imagine situações de sinistro, como colisão, perda total, quebra do automotor, pane seca, desastre natural ou outros tipos de acidentes. Nesses momentos, será possível contar com a assistência necessária para garantir a resolução do problema sem maiores dores de cabeça. Atenção, para ter sucesso é imprescindível escolher uma empresa confiável e reconhecida no mercado.

Enfim, o rastreador veicular é um acessório muito importante e apresenta diversas vantagens. Localização, bloqueio, gestão da frota etc. Na hora de escolher o modelo, analise suas necessidades e não se esqueça que ele não é capaz de substituir o seguro.

Agora que você já sabe tudo o que precisa sobre rastreador de veículos, confira também como escolher corretamente o seguro do carro.

Imagens: Matheus Bertelli no Pexels, Chave de carro, smartphone GPS.

E-BOOK TUDO QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE O SEGURO EMPRESARIAL​

Ter um seguro empresarial é indispensável. Afinal, por meio dele é possível proteger o negócio de diversos riscos que podem prejudicar as finanças e destruir todo o trabalho investido na busca do sucesso da empresa.